Itália provoca pânico em Lisboa. BCP afunda 8%

O PSI-20 segue a desvalorizar mais de 2,5% num dia em que o par italiano tomba 3%. Em Lisboa, o BCP destaca-se pela negativa, sofrendo uma desvalorização de 8%.

A tensão política que se vive em Itália está a contagiar a bolsa de Lisboa. O PSI-20 segue em terreno negativo pela quinta sessão consecutiva, não conseguindo escapar aos ventos adversos que sopram de Itália, onde a bolsa cai mais de 2%. O índice bolsista português recua mais de 2,5%, alargando as perdas do início da sessão, com o BCP a voltar a ser o destaque negativo. Os títulos do banco recuam perto de 8%.

O PSI-20 segue a desvalorizar 2,76%, para os 5.361,01 pontos, com todos os títulos em terreno negativo. Os efeitos negativos também se estendem aos juros da dívida soberana nacional que voltam a agravar. A taxa de juro a 10 anos sobe até aos 2,243%.

Ações do BCP afundam 8%

Na bolsa lisboeta, as ações do BCP voltam a ser o principal destaque negativo, não resistindo ao contágio negativo do setor financeiro italiano que está a ser o mais afetado pela instabilidade política que se assiste em Itália. As ações do banco liderado por Nuno Amado tombam 7,3%, para os 24,13 cêntimos, depois de terem estado a cair já perto de 8%, para os 24,10 cêntimos. Ou seja, um mínimo desde o início de outubro.

“O BCP está a seguir a tendência das congéneres do sul da Europa, como por exemplo do Santander e do Unicredit, que ontem também caiu cerca de 5%, devido à instabilidade política vivida em Espanha e Itália”, disse Paulo Rosa, trader da Go Bulling, citado pela Reuters.

Esta segunda-feira, o antigo diretor do Fundo Monetário Internacional para as questões orçamentais, Carlo Cottarelli aceitou formar Governo em Itália. No entanto, tanto o líder do Movimento 5 Estrelas como o da Liga — partidos que tinham chegada a acordo para formar uma coligação governativa — mostraram-se contra a opção do Presidente italiano. Espera-se agora que Cottarelli não passe no Parlamento, abrindo-se a porta a eleições antecipadas, “o mais tardar no início de 2019″.

O rumo do índice português está ainda a ser pressionado pelo recuo de um conjunto de títulos. Referência para o tombo de 3,21%, para 15,1 euros, das ações da Galp Energia, num dia marcado também pelo recuo das cotações do petróleo mos mercados internacionais. No mesmo sentido, seguem também os títulos dos CTT, que desvalorizam 4,79%, para os 2,702 euros.

Entre as retalhistas, o sentimento também é negativo. Os títulos da Sonae deslizam 3,78%, para os 1,017 euros, enquanto os da Jerónimo Martins perdem 1,81%, para os 13,54 euros.

(Notícia atualizada às 9h35 com novas cotações e mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Itália provoca pânico em Lisboa. BCP afunda 8%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião