Só uma em cada três empresas diz estar preparada para a Inteligência Artificial

  • ECO
  • 5 Junho 2018

Robótica, automatização e inteligência artificial são os grandes desafios que as empresas enfrentam. O objetivo é criar valor com a articulação entre trabalhadores e robôs.

Apenas 31% dos gerentes sentem que estão preparados para enfrentar o desafio da Inteligência Artificial (IA) e da robótica e automatização, é a conclusão do estudo “Tendências Globais de Capital Humano 2018”, realizado pela Deloitte.

Três em cada quatro gestores consideram estas questões um “assunto crítico para o negócio”, mas, apesar dos receios, o estudo, que envolveu mais de 11.000 gerentes e líderes de Recursos Humanos, verificou que quatro em cada dez empresas acreditam que a automatização terá um grande impacto nos postos de trabalho e, por isso, algumas delas (61%) dizem já estar a trabalhar na criação de novas funções relacionados com estas áreas.

Joan Pere Salom, sócio responsável pela área de capital humano e líder dos serviços financeiros da Deloitte espanhola, acredita que, contrariamente ao que muita gente pensa, as tecnologias vão criar mais postos de trabalho, em vez de eliminá-los. Além disso, diz que “qualidades como a criatividade e o pensamento crítico ganharão importância”. Para Salom, a chave do sucesso está na articulação entre trabalhadores e robôs, de modo a maximizar o valor de ambos.

Um período de três a quatro anos é o tempo que 42% das empresas inquiridas diz ser preciso para pôr em marcha estas novas tecnologias, que consequentemente trarão outros desafios, como a proteção dos dados dos trabalhadores e a melhoria dos planos de carreira e bem-estar. Sobre o último, 60% dos gerentes considera que é um fator que potencia a produtividade, os resultados financeiros e o talento. Apesar de estes números, só 3% das empresas acredita que os seus programas de recompensa são, de facto, efetivos no que toca à motivação dos colaboradores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Só uma em cada três empresas diz estar preparada para a Inteligência Artificial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião