Queixas na saúde disparam. Do público ao privado, conheça os hospitais com mais reclamações

  • ECO
  • 8 Junho 2018

Hospitais da Amadora, Lisboa e Algarve são os que receberam o maior número de reclamações. Queixas de utentes de serviços de saúde dispararam quase 20% no ano passado.

As reclamações no setor da saúde dispararam no ano passado. Ao todo, foram feitas 70.120 reclamações pelos utentes dos serviços de saúde, o que representa um aumento superior a 18% em relação a 2016. Hospitais da Amadora, Lisboa e Algarve lideram no número de reclamações, de acordo com o relatório do Sistema de Gestão de Reclamações.

O “procedimentos administrativos” foram o principal motivo das reclamação, respondendo por 20,3% das queixas, superando os tempos de espera que lideram no ano anterior. Foi “particularmente reclamada a qualidade da informação institucional disponibilizada“, refere o documento divulgado, esta quinta-feira, pela Entidade Reguladora da Saúde (ERS).

Seguem-se os “tempos de espera” (19,5% das reclamações), “em especial o tempo de espera para atendimento clínico não programado superior a uma hora”. Por fim, a “focalização do utente” mereceu 17% das queixas, “salientando-se as questões relacionadas com delicadeza/urbanidade do pessoal clínico”.

Entre os hospitais, no setor público, o Hospital Professor Dr. Fernando Fonseca, na Amadora, foi o mais reclamado na categoria de estabelecimentos com internamento, com um total de 2.185, o equivalente a quase 15% das reclamações neste segmento. Segue-se a Unidade Hospitalar de Faro, com 1.940 reclamações, e o Hospital Garcia de Orta, com 1.710 reclamações.

Fonte: Entidade Reguladora da Saúde.

Quanto aos estabelecimentos sem internamento, ainda no setor público, a Unidade de Saúde de Portimão, o centro de saúde de Paço d’Arcos e a Unidade de Saúde de Faro foram os mais reclamados.

Já no setor privado, o Hospital da Luz, o Hospital CUF Descobertas, o Hospital Lusíadas e o Hospital CUF Infante Santo, todos os em Lisboa, foram os mais reclamados entre os estabelecimentos com internamento.

Fonte: Entidade Reguladora da Saúde.

A ERS ressalva que, em todos estes casos, o número de reclamações refere-se aos valores brutos, “sem qualquer ponderação ou rácio quanto à sua dimensão, produção ou população alvo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Queixas na saúde disparam. Do público ao privado, conheça os hospitais com mais reclamações

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião