Nesta pizzaria é atendido e servido por um robô…. E ele também cozinhou a sua pizza

  • ECO
  • 4 Julho 2018

A empresa francesa Ekim apresentou a Pazzi, a pizzaria onde o chefe é um robô com três braços. A confeção é imediata, os ingredientes frescos e as receitas flexíveis.

Os restaurantes da chamada fast food continuam e, cada vez mais, à procura da fórmula perfeita para a automatização. Depois de a startup alemã Creator ter desenvolvido recentemente um robô capaz de preparar, do início ao fim, hambúrgueres, é a vez da empresa francesa Ekim apresentar o seu robô cozinheiro.

França, um país muito conhecido em termos de gastronomia, está a deixar-se seduzir pela tecnologia aplicada à comida rápida. A Ekim vai abrir a primeira pizzaria onde o cozinheiro não é um chefe mas sim três braços robotizados capazes de confecionar 120 pizzas em apenas uma hora, três vezes mais rápido do que uma pessoa. O robô faz a pizza, escolhida pelo computador, e deixa-a pronta para ser entregue ao consumidor.

Segundo os fundadores da empresa dirigida por Philippe Goldman, Sébastien Roverso e Cyrill Hamon, o projeto surgiu devido à “deceção” que, muito frequentemente, a comida rápida gera, motivada quer pela má qualidade dos ingredientes, pelo serviço demasiado lento, pelo menu limitativo ou pela rigidez de horários dos estabelecimentos. Foi para combater estas limitações que os engenheiros de eletrónica e robótica da Ekim começaram a pensar numa nova fórmula para este tipo de serviço. Com um investimento de 2,2 milhões de euros, o processo culminou com a criação da Pazzi, a pizzaria que não precisa de um único humano para fazer o seu trabalho. A abertura do primeiro restaurante, em França, está prevista para o final deste ano.

As receitas das pizzas são da autoria do mestre Thierry Graffagnino, mas os clientes podem sempre modificar a receita ao incluir ou excluir determinados ingredientes. Tudo isto através da aplicação Make My Own Pizza (MYOP). O processo de confeção da pizza pode ser observado no restaurante e os preços variam entre os sete e os 14 euros, consoante o tamanho e os ingredientes acrescentados, tal e qual como numa pizzaria mais tradicional.

O objetivo é expandir o modelo automatizado, que usa ingredientes de origem francesa e italiana e realiza o processo de confeção de forma imediata.

Veja o vídeo para conhecer como é que este robô pizzeiro trabalha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nesta pizzaria é atendido e servido por um robô…. E ele também cozinhou a sua pizza

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião