Incineradora de startups: nada se perde, tudo se transforma

Neste palco não se queimam traumas mas partilham-se aprendizagens do caminho sinuoso que vai da ideia ao negócio. E, muitas vezes, ao fracasso e ao recomeço.

 

Incinerator é um projeto criado no Founders Founders.Founders Founders

É a lei de Lavoisier aplicada ao ecossistema empreendedor: nada se perde, tudo se transforma. Por isso mesmo, está marcada a primeira sessão do Incinerator, a inceneradora de startups, o novo projeto do Founders Founders em parceria com a ScaleUp Porto. O encontro vai ser a 10 de julho, no Founders Café, no Porto, anunciou a incubadora portuense em comunicado.

O Incinerator foi um dos projetos vencedores do ScaleUp Porto, iniciativa da Câmara Municipal do Porto, que financia projetos que trabalhem em prol do ecossistema empreendedor, no valor de 70 mil euros, desde há dois anos.

A ideia desta incineradora é acompanhar o crescimento da comunidade de startups portuguesa e, ao mesmo tempo, falar sobre os falhanços e tudo aquilo que, no caminho, corre menos bem.

“A comunidade tem aceleradoras, incubadoras, e agora tem também uma incineradora. Todos aqueles que quiserem usar este espaço para partilhar as suas aprendizagens, falem connosco. No Incinerator, nada se perde, tudo se transforma!”, esclarece Rui Santos Couto, cofundador da Founders Founders.

Em comunicado, a Founders Founders explica que, quanto mais madura estiver a comunidade, com mais projetos e mais tentativas, “mais casos teremos de projetos que não funcionaram ou que se transformaram”. Por isso, vale tanto a pena contar as histórias de sucesso, rondas de investimento de milhões e novos unicórnios como todas as aprendizagens feitas pelos fundadores, mesmo que o caminho seja sinuoso.

Mas desengane-se se pensa que esta incineradora é uma fogueira onde se queimam traumas e aprendizagens: o projeto traduz-se, na verdade, num evento “que promete mostrar que, numa startup, nada se perde e tudo se transforma, para que se torne acessível o conhecimento e a aprendizagem conquistados durante os projetos que já não existem”.

A primeira edição do Incinerator está marcada para a próxima terça-feira, 10 de julho, às 14 horas. O “palco” da incineradora fica nas mãos de Nelson Pereira, cofundador da TopDox e, hoje, project manager na Dropbox, uma das grandes multinacionais que oferece serviços de armazenamento de dados na nuvem.

Fez-se história

Nelson Pereira, cofundador da extinta TopDox.D.R.

Nelson Pereira vai ao Founders Founders contar histórias do passado: a TopDox era um serviço de cloud empresarial e de gestão de ficheiros que fornecia uma solução de acesso e partilha móvel de ficheiros para empresas, sem necessidade de migração ou armazenamento na nuvem. Apesar dos muitos sucessos ao longo da sua história, a TopDox foi encerrada recentemente.

“Com o Incinerator, desejamos mudar a perceção atual sobre o fim das startups. Este espaço dá oportunidade aos fundadores para falar sobre as suas experiências. É um dos primeiros passos para desfazer mitos e complexos”, acrescenta Rui Santos Couto.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Incineradora de startups: nada se perde, tudo se transforma

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião