Marcelo Rebelo de Sousa acredita que o Orçamento para 2019 vai ser “aprovado sem problema”

  • Lusa
  • 21 Julho 2018

O Presidente da República está confiante que o Orçamento do Estado para 2019 seja "aprovado sem problema".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, acredita que o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) vai ser “aprovado sem problema”.

“Como tenho dito, aquilo que sinto e que penso, na base da realidade política portuguesa, é de que o OE2019 será aprovado sem problema”, afirmou o Presidente da República, em Marvão, no distrito de Portalegre.

Antes de assistir a um concerto no Festival Internacional de Música do Marvão (FIMM) e após uma receção ao corpo diplomático em Portugal, nesta sede de concelho alentejana, o Chefe de Estado disse também aos jornalistas ter “boas” expectativas sobre os encontros com os partidos que estão agendados para 30 e 31 deste mês.

“Eu tenho boas [expetativas]. Claro que é, não direi uma rotina, mas é um hábito adquirido, ouvi-los periodicamente. Não tem nada de dramático, precisamente a ideia é desdramatizar, ouvi-los serenamente sobre as perspetivas no futuro imediato”, acrescentou.

Questionado sobre a notícia do Expresso que refere que o orçamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) “é o mais baixo dos últimos 15 anos”, Marcelo Rebelo de Sousa escusou-se a comentar diretamente.

Mas, segundo o Presidente da República, o SNS “será o grande tema de debate na execução do Orçamento [do Estado] atual, neste segundo semestre, e depois na preparação do OE para o ano que vem”.

“E penso que aí, obviamente, haverá um debate muito interessante sobre esse tema, uma vez que a saúde é uma prioridade social para todos os portugueses”.

O Chefe de Estado disse ainda esperar que, no OE2019, o SNS “tenha a atenção que corresponde à vontade de todos, Governo e oposição”, assim como de “todos os portugueses”. “Penso que há aí há um consenso nacional”, sublinhou Marcelo Rebelo de Sousa.

As alegadas falhas no Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) foi outro dos assuntos sobre o qual Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, preferiu não se pronunciar, limitando-se a afirmar que está a iniciar-se uma fase do combate aos incêndios que “exige congregação de todas as iniciativas e de todos os esforços”.

“Portanto, tudo o que seja especular, introduzir ruído nesta fase, não faz sentido”, frisou.

Quanto à greve dos professores às avaliações finais dos alunos, sobre a qual também foi questionado pelos jornalistas, o Chefe de Estado limitou-se a lembrar que “está a decorrer um prazo, até ao final do mês, que é considerado fundamental, quer por professores, quer por diretores de escola”, sendo “prematuro” qualquer comentário.

A 5.ª edição do FIMM, que arrancou na sexta-feira, prolonga-se até ao próximo dia 29, inclui 40 concertos, que envolvem 300 músicos de 20 nacionalidades, assim como conferências, iniciativas para crianças ou encontros gastronómicos.

Segundo o Presidente da República, que já no ano passado visitou o FIMM, trata-se de “um festival espetacular, de nível europeu e mundial”, para o qual convidou este ano o corpo diplomático representado em Portugal, para que os embaixadores possam “admirar o que é num concelho lindíssimo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo Rebelo de Sousa acredita que o Orçamento para 2019 vai ser “aprovado sem problema”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião