AIBO, o cão robô que veio a Portugal mostrar de que é feita a inovação

European Innovation Academy arrancou esta semana. No recinto, a dar as boas-vindas aos 700 participantes, esteve AIBO, um cão... especial.

AIBO, o primeiro cão-robô a usar inteligência artificial e machine-learning em todo o mundo.D.R.

AIBO não é um cão normal: é o primeiro do mundo que usa inteligência artificial e machine learning. E, claro, não tem pelo macio nem a língua de fora: é um robô. Esta semana, foi apresentado em Cascais: e, perante uma plateia de mais de 700 pessoas, não dececionou: aprende tão rápido que isso lhe possibilita saber quem são os seus donos, os horários e os sons típicos da casa onde vive, e até aprender novas palavras, gestos e ordens.

Criado pela Sony, a superfície lisa que o cobre não inclui pelos mas admite festinhas: AIBO responde ao toque e até faz truques, além de obedecer a ordens dadas por voz: tudo graças à tecnologia desenvolvida pela Cogitai, uma startup de inteligência artificial com sede na Califórnia e que foi comprada pela Sony. Também por isso, foi um dos pontos altos do arranque da European Innovation Academy, a melhor academia de verão europeia que, pelo segundo ano consecutivo, se realiza em Portugal.

E a prova de que é de inovação que se fazem estes dias que juntam estudantes universitários a desenvolver ideias de negócio com pessoas que nunca antes tinham visto na vida.

“A inovação pode ser incremental ou disruptiva, o ideal é irmos crescendo e melhorando, nas organizações e na vida em geral, com confiança e estabilidade”, assinalou Marcelo Rebelo de Sousa numa mensagem lida aos assistentes. “Quero sublinhar a importância da mudança de mentalidade ocorrida em Portugal e na Europa, em especial, num maior impulso à criação de projetos ou à capacidade dos empreendedores no arranque de startups em todos os setores da economia“, assinalou.

 

Na história da Academia

Anna Sinijarv, fundadora da European Innovation Academy.D.R.

“Não sejas preguiçosa. Tens de ter ambição!”. A frase que Anna Sinijarv ouviu vezes sem conta, dita pela mãe, quando aos 25 anos não sabia o que fazer, ainda ecoa na cabeça da CEO da European Innovation Academy (EIA). Nas palavras da mãe, ser ambiciosa implicava algo maior e Anna pensava muitas vezes numa maneira de poder ajudar outros jovens a seguirem os seus sonhos, a serem empreendedores. Foi nesse processo que nasceu a ideia da EIA, em Portugal pela segunda vez.

Ao nosso país, a academia chegou numa espécie de história de amor entre inovação e empreendedorismo que foi, há um ano, contada por Inês Oom de Sousa, administradora do Santander, ao ECO. “Uma parceria como esta faz parte de um compromisso maior, que confirma o ADN do Santander Totta: o de apostar em projetos que promovam o contacto entre o Ensino Superior e o mundo empresarial e que resulte cada vez mais numa transferência direta de resultados de investigação e de conhecimento para a comunidade”, explicava, na altura, a responsável.

Durante três semanas, mais de 700 pessoas entre empreendedores, investidores e mentores de todo o mundo vão estar em Cascais para o evento que privilegia, este ano, temas como a inteligência artificial e o machine learning. Longe de ser um hackathon, como sublinha o presidente da EIA, Alar Kolk, o “campo de férias” de três semanas tem tudo menos tempo para descanso. “Este ano poderá acontecer um milagre. Isto porque, estudantes portugueses sentados lado a lado com estudantes de Sillicon Valley poderá originar uma ideia que crie uma empresa global. Uma empresa de que iremos ouvir falar muito na próxima década.”, explica Kolk em entrevista. “[Portugal] é o melhor local para criar startups. Portugal possui um bom ecossistema empreendedor. Porquê? Por coisas simples: Tem boa comida, bom tempo – hoje estão 23º por exemplo –, e claro, acima de tudo tem pessoas maravilhosas. É o país mais amigável, em termos globais”, diz ainda.

Aos assistentes, a fundadora da European Innovation Academy deixa três dicas e uma ambição: que o projeto tenha impacto em um milhão de pessoas até 2020. Para isso, comece por seguir os passos:

  1. Desenhe um leão quando todos os outros desenham uma ovelha.
  2. Mantenha-se fiel a si mesmo, apesar de ouvir sempre a opinião dos outros.
  3. Nunca esqueça a criança que há em si. Quando se depare com um problema, pense no que faria nessa situação se tivessem oito, nove anos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AIBO, o cão robô que veio a Portugal mostrar de que é feita a inovação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião