Hoje nas notícias: Ensino superior, CGD e PSD

  • ECO
  • 1 Agosto 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

Em ano de seca extrema, o consumo de água aumentou 4%, escreve o Jornal de Notícias esta quarta-feira. Na banca, destaque para a notícia do Jornal de Negócios, que escreve que a auditoria pedida pelo Ministério das Finanças à consultora EY, para que analisasse a gestão feita nos últimos dez anos na Caixa Geral de Depósitos (CGD), custou um milhão de euros ao banco público.

Ensino superior pode ter menos cinco mil candidatos

O número de candidatos a instituições de ensino superior está 9% abaixo do que era registado, pela mesma altura, no ano passado. Até esta segunda-feira, tinham sido submetidas 34.390 candidaturas de acesso ao ensino superior, menos 3.324 do que no ano passado. O concurso nacional de acesso só termina dentro de uma semana, mas os responsáveis já admitem que haverá uma quebra, depois de quatro anos de crescimento, antecipando que deverá haver entre 4.000 e 5.000 candidatos a menos em relação ao ano passado. Os meus resultados nos exames nacionais justificam esta descida.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Médicos queixam-se contra “censura” em hospitais de Lisboa

A Ordem dos Médicos recebeu uma denúncia de que o Centro Hospitalar Lisboa Norte, que integra os hospitais de Santa Maria e Pulido Valente, enviou um email aos profissionais destes hospitais a relembrar que só podem falar com a comunicação social se estiverem devidamente autorizados. A Ordem dos Médicos considera que esta norma “constitui uma restrição à liberdade de expressão e informação” e uma “forma de censura inadmissível”. Já o presidente do centro hospitalar explica que o objetivo é que haja uma articulação na comunicação interna e garante que “não há lei da rolha”.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Consumo de água subiu e ano de seca extrema

A água vendida aos municípios pela Águas de Portugal, que serve 80% da população de Portugal Continental, aumentou 4% em 2017, naquele que foi considerado um ano de seca extrema. A distribuição de água tinha caído ligeiramente em 2016, mas, no ano passado, o consumo de água voltou a aumentar, em três milhões de metros cúbicos. A justificar esta subida estão a falta de chuva e o calor, que agravaram as necessidades de rega, bem como o crescimento do turismo e da rede de consumidores.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Donativos ao PSD dispararam em ano de autárquicas

Os donativos entregues ao PSD em 2017, ano de eleições autárquicas, totalizaram 881 mil euros, um valor 14 vezes superior aos 61 mil que tinham sido registados no ano anterior. É o valor mais alto recebido por um partido em Portugal nesse ano e fica muito acima do que foi registado por qualquer outro. Nesse ano, o PS recebeu 206 mil euros e o CDS 131 mil euros. Já o Bloco de Esquerda registou 7.720 euros e o PCP recebeu 6.680 euros. Ao todo, os cinco partidos mais votados receberam 1,2 milhões de euros no ano passado.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Auditoria da EY custa um milhão à Caixa

A auditoria que o Ministério das Finanças pediu à consultora EY, relativa aos atos de gestão praticados entre 2000 e 2015 na CGD, custaram ao banco público um milhão de euros. O valor da auditoria é de 700 mil euros, mas o encargo total foi superior, já que a PwC também foi contratada para fazer uma certificação da auditoria.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Ensino superior, CGD e PSD

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião