Hoje nas notícias: Pensões, subvenções e freguesias

  • ECO
  • 21 Agosto 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

A entrada em vigor do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados levou o Governo a suspender temporariamente a publicação da lista com os nomes dos antigos políticos e respetivas subvenções políticas mensais. Esta terça-feira fica ainda marcada pelas negociações da Geringonça para um aumento extraordinário das pensões já em janeiro e pela reversão da fusão das freguesias de 2013. A crise venezuelana fez aumentar o número de pedidos de nacionalidade portuguesa e os militares prejudicados pelo 25 de Abril vão poder requerer a sua reintegração no mesmo posto.

Governo quer reverter fusão de freguesias

O Governo quer reverter a fusão de freguesias, ainda antes das próximas eleições autárquicas (que estão marcadas para 2021). Ainda que não se trate de uma desagregação automática, o novo mapa deverá ficar marcado pelo ressurgimento de muitas das 1168 autarquias extintas em 2013. No diploma que entrará em breve no Parlamento, propõe-se que sejam os autarcas a decidir essa reversão.

Leia a notícia completa no Jornal de Notícias (acesso pago).

Pensões com aumento extra em janeiro

O Governo está a negociar com o PCP e com o Bloco de Esquerda um aumento extraordinário de dez euros das pensões da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações, logo em janeiro (nos últimos dois anos, a subida aconteceu em agosto). “É justo e é exequível”, sublinha o deputado José Soeiro, notando que o aumento decorrente da lei já quase assegura o valor que está em cima da mesa. Ainda que as negociações orçamentais estejam muito atrasadas, os comunistas e bloquistas já assumiram como prioridade o dossiê das pensões.

Leia a notícia completa no Correio da Manhã (acesso livre).

Governo suspende divulgação das subvenções vitalícias

O Governo decidiu suspender a publicação da lista com os nomes dos antigos políticos e respetivas subvenções mensais vitalícias face à entrada em vigor do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD). Os advogados não entendem a decisão do Executivo de António Costa e defendem que as novas regras não justificam essa mudança. Segundo o Ministério do Trabalho, a suspensão “será, tudo indica, meramente temporária”, aguardando-se “por parte da Assembleia da República uma proposta de medida legislativa que retome a publicação”.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Caos na Venezuela reforça procura da nacionalidade lusa

Em pouco mais de um ano, o Governo concedeu nacionalidade portuguesa a 5.800 lusodescendentes venezuelanos. Em comparação, em 2016, pouco mais de quatro mil descendentes de portugueses na Venezuela tinham feito esse pedido. O agravamento da crise política e económica na Venezuela levou o Executivo a criar, em meados de 2017, um pacote para retirar os obstáculos e acelerar a atribuição da nacionalidade lusitana, o que pode explicar a evolução em causa. Apesar da subida verificada, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas descarta a ideia de que existe uma vaga de imigração venezuelana ou uma vaga de emigração de lusodescendentes.

Leia a notícia completa no Público (acesso condicionado).

Militares prejudicados pelo 25 de Abril serão reintegrados no mesmo posto

De acordo com a lei proposta pelos bloquistas, os militares que foram prejudicados pelos acontecimentos do 25 de Abril terão 180 dias para requerer a sua reintegração nas Forças Armadas, ao abrigo do primeiro decreto-lei relacionado com essa matéria, que data de 1974. As pensões resultantes dessa reintegração serão apenas devidas a partir do momento que esses requerimentos forem recebidos, não havendo qualquer direito de reconstituição das carreiras ou retroativos. Os interessados terão de dirigir ao ministro da Defesa Nacional os respetivos requerimentos, acompanhados de documentação que comprove os motivos de natureza política que estiveram na base do seu afastamento.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso livre).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: Pensões, subvenções e freguesias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião