Acordo entre Governo, IP e trabalhadores trava greve nos comboios

  • ECO e Lusa
  • 26 Agosto 2018

Governo, empresa e trabalhadores chegaram a acordo. Os três dias de paralisação já não vão acontecer.

Prometia ser uma semana complicada para quem utiliza comboio, mas já não vai ser. Governo, Infraestruturas de Portugal (IP) e os seus trabalhadores chegaram a um acordo que trava os três dias de greve que tinham sido convocados para segunda, quarta e sexta-feira.

“A Infraestruturas de Portugal informa que, após várias reuniões que decorreram na Secretaria de Estado das Infraestruturas nos últimos dias, foi possível estabelecer um acordo conjunto entre a SEI, a IP e a APROFER – Associação Sindical dos Profissionais do Comando e Controlo Ferroviário”, refere o comunicado da IP.

“Ficou também estabelecido que a APROFER irá promover a desconvocação da greve que estava prevista para os próximos dias 27, 29 e 31 de agosto”, acrescenta o mesmo comunicado. Fica assim sem efeito o alerta de greve nos comboios para esta segunda, quarta e sexta-feira.

“A Infraestruturas de Portugal congratula-se com o resultado destas negociações, o que permite assegurar a normalidade do serviço ferroviário”, lê-se no documento.

Na sexta-feira, a CP – Comboios de Portugal e a Fertagus admitiram que as paralisações levariam a “fortes perturbações” na circulação ferroviária, apesar de haver serviços mínimos.

Os trabalhadores da IP reivindicam o reconhecimento das carreiras de supervisão, melhorias salariais e que o Governo tenha uma “postura de boa fé” na negociação coletiva, de acordo com os pré-avisos de greve.

São abrangidos os operadores ferroviários CP, Fertagus (comboio que liga Lisboa a Setúbal, atravessando a ponte 25 de Abril), Medway e Takargo (ambas empresas ferroviárias de mercadorias).

(Notícia atualizada às 15h27 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acordo entre Governo, IP e trabalhadores trava greve nos comboios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião