Mais de 200 mil trabalhadores da restauração vão ter aumentos de 6,7%

  • Lusa
  • 29 Agosto 2018

Este acordo entre os sindicatos dos trabalhadores da hotelaria, turismo e restauração e a AHRESP abrange mais de 200 mil trabalhadores, que vão receber o aumento com retroativos a janeiro.

Os trabalhadores da restauração vão ter aumentos salariais de 6,7% ao abrigo de um acordo entre a Federação dos Sindicatos dos Trabalhadores da Hotelaria, Turismo e Restauração (FESAHT) e a associação patronal AHRESP, foi anunciado esta quarta-feira.

O acordo de revisão do contrato coletivo de trabalho (CCT) para a área da restauração e bebidas foi assinado na terça-feira e prevê ainda aumentos de 2% para as restantes matérias pecuniárias.

Francisco Figueiredo, dirigente da FESAHT, disse à agência Lusa que vão ser abrangidos pelo acordo mais de 200 mil trabalhadores, que vão receber o aumento com retroativos a janeiro.

“Com esta revisão, e depois de ter assinado [acordos] com as associações patronais APHORT [Associação Portuguesa de Hotelaria Restauração e Turismo] e AIHSA [Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve], fica coberto todo o setor da restauração a nível nacional com contratação coletiva, designadamente restaurantes, cafés, pastelaria, confeitarias e similares”, afirmou o sindicalista.

Segundo o dirigente sindical, os salários dos trabalhadores do setor, onde estão incluídas as categorias profissionais de empregado de bar, balcão, mesa, ‘self-service’ e ‘snack’ bar, variam entre os 610 euros e os 670 euros, a que são acrescentadas as diuturnidades por antiguidade.

Francisco Figueiredo disse ainda que a FESAHT pretende iniciar novas negociações em setembro com a AHRESP, com o objetivo de rever todo o clausulado do CCT, que é de 2012, no sentido de criar melhores condições de trabalho, para fixar os trabalhadores no setor.

Entretanto, a federação sindical vai prosseguir as negociações com a AHRESP – Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal para o setor do alojamento e cantinas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais de 200 mil trabalhadores da restauração vão ter aumentos de 6,7%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião