Incerteza nos juros e tensão comercial assustam Wall Street

Wall Street abriu em queda, com as bolsas mundiais a caminharem para a pior semana desde março. Os investidores receiam mais uma subida dos juros, numa altura em que Trump já pode aplicar as tarifas.

Wall Street voltou a abrir em baixa, face aos receios em torno da guerra comercial e dados do mercado laboral que deixam margem para mais uma subida dos juros. Os investidores temem que o Presidente Donald Trump avance com mais um pacote de tarifas sobre as importações chinesas, algo que poderá acontecer a qualquer momento. As tensões com a China continuam a condicionar as negociações, numa altura em que as bolsas mundiais caminham para fechar a maior semana de perdas desde março.

Neste contexto, o S&P 500 cai 0,38% para 2.867,1 pontos. O industrial Dow Jones recua 0,28% para 25.923,86 pontos. Já o tecnológico Nasdaq prolonga as perdas significativas registadas ao longo da semana e abriu a cair 0,50% para 7.883,03 pontos.

O Departamento do Trabalho revelou que foram criados 201 mil novos empregos em agosto e que a taxa de desemprego se mantém nos 3,9%, o que deixa margem para mais uma subida das taxas de juro. Estão previstas mais duas subidas este ano e outra em junho de 2019, mas os dados mostram que é cada vez mais provável que a Reserva Federal decida realizar mais uma subida no ano que vem.

Além disso, esta sexta-feira, às 5h00 em Lisboa, expirou o prazo de embargo da proposta de 200 mil milhões de dólares em tarifas aduaneiras contra a China, pelo que Donald Trump pode agora implementar os impostos sobre as importações chinesas a qualquer momento, segundo a Reuters. No entanto, o clima é de incerteza e não é certo se, ou quando, o Presidente pode dar este passo. Pequim já prometeu retaliar.

A fabricante Boeing, uma das empresas mais sensíveis às questões comerciais, está a recuar 1,04% para 247,61 dólares por ação. Outra empresa sensível é a Caterpillar, que derrapa 1,07% para 140,05 dólares cada título.

No campo da tecnologia, as perdas prolongam-se para algumas das maiores gigantes do setor. Esta semana, as negociações têm sido condicionadas pela incerteza sobre se as autoridades norte-americanas vão ou não avançar com medidas regulatórias sobre plataformas como o Facebook e o Twitter.

O Twitter caminha para eliminar os ganhos registados ao longo do ano e, esta sexta-feira, abriu a derrapar 1,53% para 7,09 dólares. O Facebook recua 0,70%, para 161,32 dólares.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incerteza nos juros e tensão comercial assustam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião