Marcelo despediu-se da “fascinante aventura” do ensino

  • Lusa
  • 20 Setembro 2018

O Presidente da República deu a sua "última lição formal" como docente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. É a "verdadeira vocação" da sua vida, diz.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, despediu-se da “fascinante aventura” do ensino como professor universitário de direito, que disse ser a “verdadeira vocação” da sua vida, a partir da qual fez tudo o mais.

O chefe de Estado, que completa 70 anos em dezembro, a atual idade de jubilação, deu a sua “última lição formal” como docente da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, na cerimónia de abertura do ano académico 2018/2019 da Universidade de Lisboa, na Aula Magna.

Professor desde 1972, na mesma faculdade onde se licenciou, entre 1966 e 1971, com média de 19, e depois concluiu mestrado e doutoramento, Marcelo Rebelo de Sousa fez um discurso que durou perto de meia hora, em que passou em revista a evolução do país e da universidade nestas cinco décadas. No final, foi aplaudido de pé durante cerca de dois minutos.

Assistiram a esta “lição de sapiência” os antigos Presidentes da República António Ramalho Eanes e Jorge Sampaio, o presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, presidentes dos tribunais superiores, ministros e deputados de vários partidos.

“A universidade, a minha universidade foi sempre a minha praça-forte, a minha casa ‘mater’, o meu último refúgio. Tudo quanto fiz ou faço em tantos outros domínios fi-lo a partir dela e por causa dela”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, acrescentando: “E depois de cada incursão, fora dela, à minha escola regressava sempre, sem exceção, jubiloso ou derrotado, pois era ela a verdadeira vocação da minha vida”.

O Presidente da República declarou que estará “grato para sempre” à sua universidade: “Ao caminhar para o fim de uma fascinante aventura, como não agradecer a esta universidade a vida inesquecível que me proporcionou?”.

“Mais do que isso, como não agradecer as dezenas de mestres que me desvendou, as centenas, muitas, de colegas, docentes e não docentes, que revelou, as certamente mais de duas dezenas de milhar de alunos que me encheram os melhores momentos dessa incessante caminhada?”, completou.

Marcelo Rebelo de Sousa quis terminar a sua intervenção como Presidente da República, “calado o académico”, e nessa qualidade expressou “esperança no futuro” desta e de todas as universidades portuguesas, “esperança no futuro da educação como penhor de liberdade, de igualdade, solidariedade, esperança no futuro de Portugal”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Marcelo despediu-se da “fascinante aventura” do ensino

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião