Galp mantém bolsa de Lisboa à tona da água

PSI-20 abriu o dia com ganhos ligeiros graças ao bom desempenho da Galp. Subida das ações do BCP também ajuda.

A bolsa nacional abriu a sessão desta terça-feira ligeiramente acima da linha de água, sendo sustentada sobretudo pelas ações da Galp. Os primeiros minutos de negociação em Lisboa estão a ser condicionados pela EDP.

O PSI-20, o principal índice português, soma ligeiros 0,22% para 5.160,08 pontos, no segundo dia de ganhos, num arranque misto no que toca ao comportamento das principais cotadas nacionais. De um lado, a petrolífera Galp avança 1,54% para 16,76 euros e dá alguma sustentação à praça portuguesa. Também o BCP ganha 0,65% e dá um contributo positivo. Do outro lado, pressionam sobretudo as ações da EDP, que cedem 0,16% para 3,145 euros — a elétrica concluiu ontem a primeira emissão de green bonds, levantando 600 milhões de euros a um juro abaixo de 2%.

O pior desempenho pertence à Sonae Capital: os títulos desvalorizam mais de 2% e estão a corrigir em baixa depois de ter disparado mais de 11% na sessão anterior, com os analistas a associarem este desempenho à oferta pública de venda da Sonae MC, a unidade de retalho da Sonae.

Sonae Capital corrige

Por Lisboa, a manhã ficará marcada pelo leilão de Obrigações do Tesouro a 10 anos, numa operação que deverá permitir ao IGCP financiar-se entre 750 milhões e 1.000 milhões de euros.

Lá por fora, Itália volta a ser o centro das atenções dos investidores, sobretudo por causa do debate em torno do Orçamento do Estado para o próximo ano.

“Os mercados europeus continuarão a mostrar‐se bastante permeáveis às notícias provenientes da discussão parlamentar do Orçamento de estado Italiano”, referem os analistas do BPI no Diário de Bolsa.

Esta terça-feira, “as ações e obrigações europeias (lideradas pelas italianas) encetaram um forte rally após o Tribunal de contas Italiano ter demonstrado o seu ceticismo em relação a algumas rubricas do Orçamento. Este ceticismo poderá induzir o Governo de Roma a rever este documento, aproximando‐o das posições defendidas por Bruxelas”, assinalaram ainda.

A sessão europeia inicia-se, ainda assim, numa toada negativa, com a praça de Milão a perder 0,51%. Também o IBEX-35 de Madrid recua 0,48%. Com perdas mais contidas seguiam o alemão DAX-30 e o benchmark europeu Stoxx 600, em baixa de 0,04% e 0,05%, respetivamente.

(Notícia atualizada às 8h26)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp mantém bolsa de Lisboa à tona da água

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião