Portugal está menos competitivo. “Em bom rigor” o país desceu uma posição no ranking

Aplicando a nova metodologia aos resultados do ano passado, Portugal cai um lugar. Isto porque, caso a metodologia já tivesse sido mudada no ano passado, o país teria ocupado a 33.ª posição.

Portugal está menos competitivo do que no ano anterior. A conclusão é fruto dos resultados do Ranking de Competitividade do Fórum Económico Mundial (FEM), que revelam que o país lusitano ocupa agora o 34.º lugar entre os 140 países em análise.

Ainda que no ano passado Portugal tenha ocupado o 42.º lugar deste ranking, este ano a metodologia utilizada para calculá-lo não foi a mesma usada desde 2006 e até 2017. Tal significa que a aparente subida de oito posições não passa disso mesmo, uma subida entre anos que não podem ser comparados com rigor entre si, uma vez que as regras do jogo mudaram.

Se aplicarmos a metodologia, agora usada, ao ano passado, Portugal estaria na 33.ª posição, o que significa que, tendo em conta os resultados mais recentes — que colocam o país na 34.ª posição — “em bom rigor, descemos uma posição” no Ranking da Competitividade do FEM, explicou Luís Filipe Pereira, presidente do Fórum de Administradores e Gestores de Empresas (FAE), durante a conferência de imprensa na AESE Business School.

A nova metodologia utilizada para calcular o ranking visa, principalmente, valorizar as tecnologias digitais, desde as redes sociais aos drones, uma área que não estava a ser suficientemente tida em conta nos anos anteriores.

Quem está à frente de Portugal?

A liderar o ranking deste ano estão os Estados Unidos, seguidos de Singapura, Alemanha, Suíça e Japão. Se nos cingirmos à Europa, à frente de Portugal estão quase todos os países da Europa Ocidental e atrás estão os países do leste europeu, juntamente com Chipre, Grécia e Malta.

Ainda que, comparando a nova metodologia, a posição de Portugal tenha baixado uma posição, a pontuação revelou uma subida de 4,57 para 4,91.

Enquanto a metodologia anterior tinha 12 pilares, esta nova classificação agrupa-os em quatro grandes grupos: envolvente, capital humano, mercados e sistema de inovação. No primeiro foi agora criado um novo pilar, dedicado à utilização das tecnologias digitais, no qual Portugal ocupa a 37.ª posição, sendo que a média dos 140 países do estudo é 67.

A posição do país neste quatro grandes grupos e em cada um dos pilares, de uma forma geral, anda entre a 33.ª e a 35.ª, valores próximos da média do país. No entanto, há duas exceções: no que diz respeito à dimensão do mercado e à estabilidade macroeconómica, Portugal é significativamente menos competitivo.

Skills e educação ainda são um problema

O mesmo acontece no pilar dos skills e educação, ainda que com menos expressão. Luís Filipe Pereira explica que nesta categoria o país é “penalizado pelos aspetos de escolaridade e, também, pelas competências digitais da população em geral”. Recorde-se que, de acordo com as estatísticas revelados este mês pela Pordata, mais de metade dos empregadores portugueses (54,6%) não frequentaram o ensino secundário ou superior, enquanto a média na União Europeia é 16,6%.

No top 5 das variáveis em que Portugal obteve a pior classificação estão as contratações e despedimentos, os impostos laborais, a eficiência disputas legais, a mobilidade laboral e a complexidade de tarifas. Do lado oposto, no top 5 das componentes em que Portugal obteve a melhor classificação, está a inflação, o terrorismo, a eletrificação, as tarifas alfandegárias e as estradas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal está menos competitivo. “Em bom rigor” o país desceu uma posição no ranking

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião