Youtube investe 20 milhões de dólares em conteúdo educativo

O Youtube quer apostar na vertente educativa da plataforma de vídeos, e por isso vai investir nos criadores deste conteúdo. O investimento inclui também parcerias com instituições, e conferências.

Fazer o nó da gravata, cozinhar arroz ou atirar dardos, são tudo coisas que se pode aprender a fazer no Youtube. A plataforma de vídeos quer destacar a componente educativa do site, e, por isso, vai investir 20 milhões de dólares em iniciativas como bolsas para youtubers e a criação de novos canais e vídeos.

A empresa tinha já demonstrado interesse em investir nesta área, ao anunciar o YouTube Learning em junho. Agora, decidiram investir 20 milhões de dólares para expandir a iniciativa, escreve a CNN Business (acesso livre/conteúdo em inglês). Com este dinheiro, a plataforma vai investir nos canais e criadores de conteúdo educativo, realizar parcerias com instituições e desenvolver outros recursos e eventos para potenciar a área.

A primeira ronda de investimento já está completa, e envolveu nomes como a TED-Ed, cujo canal disponibiliza vídeos com lições sobre os mais variados temas, e o “Crash Course”, dos irmãos John e Hank Green. Para a nova ronda, os youtubers interessados podem candidatar-se até 30 de novembro, e os escolhidos serão conhecidos cerca de dois meses depois, a 31 de janeiro do próximo ano. Os canais devem preencher alguns requisitos como ter, pelo menos, 25 mil subscritores. Os valores das bolsas não foram revelados.

Um veterano de guerra, que passava as noites no posto a ver vídeos para aprender trigonometria e que acabou por se tornar um físico, é o exemplo dado pelo Youtube do tipo de impacto que querem ter com esta iniciativa. “Podemos prometer que qualquer pessoa que queira aprender e ensinar vai ter mais oportunidades para o fazer no Youtube“, diz Malik Ducard, que chefia a área de educação na empresa, num post no blog da Google, onde anunciam as medidas do Youtube Learning.

Está ainda nos planos lançar um canal, chamado Learning, com parcerias com instituições como a Goodwill e a Year Up, que vão curar listas de vídeos que expliquem ou ensinem habilidades importantes para o desenvolvimento da carreira profissional. E uma série de vídeos apelidada de “YouTube Originals”, em conjunto com a Vox Entertainment, onde respondem a perguntas dos utilizadores.

Também as conferências EduCon, que eram já realizadas nas Américas e que juntam os criadores de conteúdo que se dedicam a vídeos educativos, vão chegar a Europa e a Ásia. A estreia europeia será no Reino Unido, em fevereiro do próximo ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Youtube investe 20 milhões de dólares em conteúdo educativo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião