WIFI4EU expõe dados de milhares de autarcas europeus

  • ECO
  • 7 Novembro 2018

Comissão Europeia confirma que estiveram online dados pessoais de presidentes de câmara a partir da plataforma WIFI4EU. As candidaturas ao programa que quer garantir internet gratuita recomeçam hoje.

Foi a 15 de maio que se deu a maior fuga de informação de dados pessoais de autarcas europeus da história. Moradas, fotocópias de passaportes e cartões de cidadão estiveram visíveis na internet devido a uma falha informática nas candidaturas ao Wifi4EU.

Ao todo, de acordo com números a que o Jornal de Notícias (acesso condicionado) teve acesso através do relatório técnico feito pela Direção-Geral das Comunicação da União Europeia (DG Connect), estiveram expostos os dados pessoais de 11.402 presidentes de câmara europeus.

Entre estes milhares de autarcas estão 242 portugueses que se candidataram ao projeto europeu que financia internet sem fios nos espaços públicos. Inicialmente, Bruxelas apontou “problemas técnicos” para suspender o concurso ao Wifi4EU lançado em maio, mas tratou-se, afinal, de uma falha que deixou visíveis dados tanto dos autarcas como das empresas de telecomunicações.

Se retirarmos alguma coisa positiva do caso é que nenhuns dados foram copiados ou revelados, a parte mais problemática é que estiveram acessíveis”, disse a comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, em conferência de imprensa, durante o Web Summit.

Na altura em que suspendeu o concurso, Bruxelas anunciou que iria retomá-lo depois do verão. E retomou. A primeira fase ao programa que pretende garantir acesso público e gratuito à internet (Wi-Fi) por toda a Europa vai arrancar de novo a partir das 12h00 desta quarta-feira. A Comissão Europeia destinou 120 milhões de euros a este projeto.

(Notícia atualizada às 13h29 com declarações de Margrethe Vestager)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

WIFI4EU expõe dados de milhares de autarcas europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião