Hoje nas notícias: IMI, tribunais e Montepio

  • ECO
  • 16 Novembro 2018

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O Partido Socialista admite que as propostas do PCP e do Bloco de Esquerda, quanto à subida adicional do IMI, não terão a sua aprovação. Já as medidas contra as amnistias fiscais — defendidas pelo Bloco — estão a pressionar o PS, sendo que a sua aprovação ainda não é certa. Eduardo Catroga, por sua vez, critica a influência dos bloquistas no Governo e atribui-lhes culpa pela economia não ter crescido tanto. Quanto ao Montepio, as eleições estão à porta, mas os associados já podem votar por correspondência.

PS trava subida adicional do IMI

Os socialistas dizem que, no imobiliário, vão admitir apenas propostas de correção. Quanto à criação de um novo escalão e ao agravamento do AIMI, proposta apresenta pelo PCP e Bloco de Esquerda, os socialistas vão dizer não. Relativamente às propostas por parte do PSD, João Paulo Correia, responsável socialista para a área das finanças, refere que as portas estão abertas. Esta sexta-feira, o PS apresenta no Parlamento as suas propostas de alteração ao Orçamento do Estado para 2019. Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

 

Medidas contra as amnistias fiscais tem apoio no Fisco e pressionam PS

O Bloco de Esquerda quer que o Banco de Portugal (BdP) seja obrigado a enviar ao Fisco todas as declarações de regularização tributária dos contribuintes que beneficiaram das três amnistias fiscais aprovadas pelos Governo de José Sócrates e Pedro Passos Coelho. Contudo, apesar de a medida ter sido defendida por António Costa, a sua aprovação não é certa. Ainda não se sabe se a alteração do Orçamento do Estado proposta pelo BE vai passar no Parlamento, na especialidade, na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa. Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Tribunais a meio-gás durante dois meses. Juízes temem acumulação de atrasos

A greve a tempo parcial dos funcionários judiciais, que dura desde 5 de novembro, está a causar forte perturbações nos tribunais e, segundo a Associação Sindical dos Juízes Portugueses, caso se prolongue, como está previsto por mais mês e meio, a situação vai agravar-se muito mais. A partir desta sexta-feira passará a decorrer em simultâneo uma paralisação regional. A greve a tempo parcial já está a reduzir em cerca de quatro horas o funcionamento diário dos tribunais. Basta “multiplicar” pelos muitos dias que faltam até ao fim de dezembro para perceber a gravidade da situação, diz a secretária-geral da associação sindical. Leia a notícia completa em TSF (acesso livre).

“As empresas não podem ser objeto de medidas discriminatórias”

Eduardo Catroga, ex-ministro e membro do Conselho Geral da EDP, critica políticas que considera que criam desconfiança aos investidores. “As empresas não podem ser objeto de medidas discriminatórias só para sacar mais dinheiro”, refere. Além disso, condena ainda a influência do Bloco de Esquerda no Governo. “Sem a influência negativa da esquerda radical, a economia devia ter crescido muito mais”, diz. Leia a notícia completa no Jornal Económico (acesso pago).

Corrida ao Montepio na reta final

As eleições da Associação Mutualista Montepio estão à porta, dia 7 de dezembro, mas os milhares de associados já podem votar por correspondência. Os três candidatos assumem grandes desafios pela frente, caso cheguem à liderança da mais antiga e maior instituição mutualista portuguesa. Para António Godinho, “o que se passa na instituição em termos de salários é pornográfico”. Já Ribeiro Mendes refere que nunca sentiu, do lado do ministério, “qualquer capacidade de aconselhamento e de supervisão”. Tomás Correia, também candidato, considera, por sua vez, que “uma má negociação das novas regras mutualistas pode levar ao fim da associação”. Leia a notícia completa no jornal i (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: IMI, tribunais e Montepio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião