Petrolífera Sonangol fica no BCP, palavra de João Lourenço

O presidente de Angola assegurou que a Sonangol vai manter-se no capital do BCP. E esclarece que "nunca nenhuma autoridade angolana disse que a Sonangol se iria retirar dos negócios em Portugal".

O presidente de Angola garantiu, este sábado, a permanência da Sonangol no capital do BCP. João Lourenço afirmou ter sido abordado, esta sexta-feira no Porto, por uma empresa, que estaria muito preocupada com a eventual saída da petrolífera angolana da sua estrutura acionista. João Lourenço revelou ter respondido que poderia ficar “descansada” e, sem nunca se manifestar sobre o nome da entidade, acabou por revelar que se tratava de um banco, ou seja, o BCP. A Sonangol detém 19,49% do capital do BCP.

O encontro entre o presidente angolano e os altos quadros do BCP poderá ter acontecido após o Fórum Económico que teve lugar na Alfândega do Porto, e onde estavam presentes para Miguel Maya e Nuno Amado, presidente executivo e chairman do banco, respetivamente.

Já sobre uma eventual saída da petrolífera estatal angolana do capital da Galp, onde detém indiretamente 15% através da Amorim Energia, João Lourenço garantiu que: “Nunca nenhuma autoridade angolana disse que a Sonangol se iria retirar dos negócios em Portugal”.

Lourenço garante que as orientações dadas à petrolífera, no quadro da privatização, é que esta deve analisar caso a caso de quais se deve retirar. O presidente de Angola diz que a Sonangol está presente em mais de 100 empresas e que a conclusão é que se deve retirar de 52 empresas”.

Questionado sobre a entrevista que deu ao Expresso, no passado sábado, o presidente de Angola esclareceu que estava a falar no geral e nunca se referiu ao caso português.

Na altura, João Lourenço afirmou: “O Executivo já anunciou que a Sonangol deve retirar-se de grande parte dos negócios e das participações em que está envolvida e que não têm muito que ver com o seu core business”. Para mais à frente adiantar: “Não temos nada contra os portugueses do grupo Amorim, antes pelo contrário, mas num casamento deve haver vontade recíproca entre o noivo e a noiva, ambos têm de estar interessados”.

Ainda na mesma entrevista, quando questionado diretamente sobre o BCP adiantou: “Não estou a dizer que vamos sair amanhã. Estou a dizer apenas que a tendência é essa…”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petrolífera Sonangol fica no BCP, palavra de João Lourenço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião