Incêndios: Atrair aprova 110 projetos e investimento de 345 milhões ao fim de um ano

  • Lusa
  • 3 Dezembro 2018

A linha Atrair é um apoio concedido às empresas, no âmbito do Portugal 2020, que tem como objetivo atrair novos investimentos geradores de emprego para os territórios afetados pelos incêndios de 2017.

O sistema de apoio Atrair, que visa captar investimento para zonas afetadas pelos incêndios, superou as “expectativas”, com 110 projetos aprovados ao fim de um ano, num investimento de 345 milhões de euros, disse à Lusa o Ministério da Economia.

A linha Atrair é um apoio concedido às empresas, no âmbito do Portugal 2020, que tem como objetivo atrair novos investimentos geradores de emprego para os territórios afetados pelos incêndios de 15 de outubro de 2017.

“Decorrido um ano após o lançamento desta linha de apoio, a sua implementação superou as expectativas, como está refletido nos números da sua execução”, disse fonte oficial do Ministério da Economia.

Assim, no âmbito desta linha de apoio foram aprovados 110 projetos, envolvendo um investimento de 345 milhões de euros e um apoio correspondente de 191 milhões de euros”, prosseguiu, adiantando que o apoio “superou largamente o inicialmente previsto (105 milhões)”. Além disso, “o efeito incremental previsto pelos projetos aprovados em termos de aumento do potencial exportador é de cerca de 236 milhões de euros”, acrescentou.

“Verifica-se igualmente um impacto relevante desta linha de apoio ao nível do emprego, uma vez que os projetos aprovados preveem a criação de um total de 2.164 postos de trabalho, dos quais 431 qualificados”, concluiu o ministério tutelado por Pedro Siza Vieira.

Após os incêndios que afetaram o país no final de 2017, a Resolução do Conselho de Ministros n.º 167-B/2017 veio determinar a adoção de medidas de apoio à atividade empresarial nos territórios afetados pelos incêndios de 15 de outubro, prevendo na alínea c) do n.º 2, a abertura de concursos específicos, no âmbito do Portugal 2020, de apoios a projetos de investimento produtivo empresarial localizados em territórios afetados pelos incêndios.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incêndios: Atrair aprova 110 projetos e investimento de 345 milhões ao fim de um ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião