Trump espera acordo com a China. Wall Street animado

O presidente dos EUA garantiu que irá esperar por um acordo antes de tomar qualquer decisão sobre novas subidas nas tarifas aduaneiras às importações chinesas.

As perspetivas de recuo na guerra comercial estão a animar a sessão em Wall Street. O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou, em entrevista à Reuters, que as negociações telefónicas com Pequim estão a decorrer e garantiu que irá esperar por um acordo antes de tomar qualquer decisão sobre novas subidas nas tarifas aduaneiras às importações chinesas.

“Poderá haver algum otimismo por causa das notícias comerciais, mas vamos ver onde vai”, disse Scott Brown, economista-chefe da Raymond James, à agência. “Temos assistido a grandes movimentos intra-diários ultimamente e poderemos vê-lo também hoje [quarta-feira], o que será um sinal de o mercado estar à procura do que serão níveis apropriados”

O índice industrial Dow Jones abriu a ganhar 1,09% para 24.636,60 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 sobe 1,15% para 2.667,12 pontos e o tecnológico Nasdaq avança 1,39% para 7.129,33 pontos.

Donald Trump afirmou ainda que irá intervir junto do Departamento de Justiça norte-americano caso o processo judicial contra a CFO da Huawei tenha impacto na segurança nacional dos EUA ou possa ajudar a fechar o acordo comercial. Apesar de as autoridades terem apontado para um risco de fuga, Meng Wanzhou foi libertada esta terça-feira após o pagamento de uma caução de 7,5 milhões de dólares.

A Fed subir juros é “tolice”

Na mesma entrevista, o presidente dos EUA voltou a pronunciar-se sobre a política monetária do país. Na próxima semana, a Reserva Federal norte-americana (Fed) vai reunir-se pela última vez este ano, num encontro em que o mercado antecipa que o banco central suba novamente a taxa de juro de referência em 0,25 pontos base, para um intervalo 2,25 e 2,5%. Mas Trump mostrou-se contra a possível decisão.

Penso que seria uma tolice, mas o que é que posso dizer?”, afirmou o republicano, à Reuters. “Tem de se perceber que estamos a combater algumas batalhas comerciais e estamos a ganhar. Mas também preciso de uma política monetária acomodatícia”. Acrescentou ainda que o presidente da Fed, Jerome Powell, é um “bom homem”, mas classificou as medidas assumidas como “demasiado agressivas”.

No mercado cambial, a moeda norte-americana deprecia-se 0,31% contra a par europeia (para 1,1352 dólares), 1,06% contra a libra esterlina (para 1,2619 dólares) e 0,02% face à par japonesa (para 113,36 ienes). A yield das Treasuries a 10 anos sobem 1,61 pontos para 2,8951%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump espera acordo com a China. Wall Street animado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião