Muitos sapatinhos de Natal escondem um perfume… E as marcas agradecem

Mais de um terço das vendas do grupo L'Oréal são feitas nos últimos meses do ano, impulsionadas pela procura por presentes de Natal. O perfume é uma das principais escolhas.

São um presente repetido em muitas árvores de Natal pelo mundo. Os perfumes são dos artigos mais vendidos por esta altura, chegando a representar um terço das vendas do ano inteiro para algumas marcas. Tendo isto em conta, a publicidade é potenciada para atingir mais pessoas e, por entre as promoções e ofertas especiais, os perfumes chegam ao sapatinho de muita gente.

A indústria dos perfumes, por si só, já é de uma dimensão considerável. As vendas de perfumaria e cosmética no mercado ibérico deverão chegar aos 5.215 milhões de euros em 2018, de acordo com um estudo da Informa D&B. Estes valores representam um crescimento de 2% em relação ao ano anterior. Mesmo sendo um produto cuja utilização remonta ao tempo dos faraós, não passa de moda, e as casas especializadas vão tentando inovar.

Mas será na época das festividades que o negócio ganha mais força. Em Portugal, as vendas de ‘eau de toilette’ e água-de-colónia feitas no período do Natal pesaram 30,6% no valor total de 2017, segundo dados da Nielsen. Também o ‘eau de parfum’ vendido durante esta quadra teve um peso considerável, de 24,6% do total. E sendo um presente que dá para todas as idades, 19,9% das vendas da perfumaria de bebé foram feitas neste período, no ano passado.

A tendência confirma-se junto dos grandes grupos que operam na área. “Mais de um terço das nossas vendas são feitas nestes últimos meses do ano, potenciados pela procura do presente perfeito”, indica ao ECO fonte oficial do grupo L’Oréal, cujo portefólio inclui marcas como a Yves Saint Laurent, Giorgio Armani, Lancôme, Cacharel e Ralph Lauren.

Perfumes e Natal é uma combinação vencedora.Cortesia do El Corte Inglés

Os perfumes são a terceira opção mais escolhida para os presentes de Natal para adultos, em Portugal, segundo um estudo do IPAM. Ficam atrás apenas da roupa e sapatos, e acessórios. Os portugueses gostam de dar, mas também de receber algo para ficarem bem cheirosos. Segundo um estudo encomendado pela L’Oréal, mais de metade da população do país gosta de receber perfumes.

De forma a tirar proveito desta época, em que as compras já são esperadas, “vem também um aumento no nosso investimento nos media que arranca logo em outubro com campanhas Natal”, explica. “Existe uma procura cada vez maior pelas melhores ofertas e descontos, e notamos que dias de campanhas mais agressivas como o Black Friday contribuem para um crescimento das vendas, cada vez mais expressivo de ano para ano”, aponta.

Também na Dior a expressividade das vendas no Natal é “muito significativa”, aponta fonte oficial ao ECO, sem no entanto avançar números. Pela altura das festividades, a marca “reforça o investimento em comunicação e a visibilidade em ponto de venda”.

O dia que se tornou sinónimo de grandes descontos parece ser o ponto de partida para a caça ao presente. “Desde o fim de novembro, com o Black Friday no dia 23, é possível notar o aumento das vendas“, conta Clara Vidal, funcionária de uma perfumaria em Sintra. “Nesta altura, o desconto chegou a 41% em quase todos os produtos”, acrescenta.

Os coffrets de Natal são alguns dos lançamentos pensados para esta época.Cortesia do El Corte Inglés

“Ainda contamos com bons descontos neste período (agora 35% em parte dos produtos, por exemplo) e o movimento é intenso mesmo em dias de semana, como segunda e terça-feira”, continua. Pelo El Corte Inglés também se sente esta corrida aos perfumes. “Todos os anos registamos um aumento de vendas nesta área de negócio, uma vez que os perfumes e a cosmética em geral são sempre considerados boas prendas de Natal”, releva fonte oficial do grupo ao ECO.

Para a Dior, a antecipação dos clientes é um pouco inferior. “Depende do dia da semana em que calha o Natal, mas de um modo geral a procura arranca com dez dias de antecedência face ao dia 24”, explica.

Que aromas atraem os narizes portugueses?

Nos centros da cadeia espanhola, “as marcas de perfumes mais vendidas nesta época são, naturalmente, as marcas de referência nesta área como é o caso dos perfumes da Jo Malone seguidos da Chanel, Dior, Yves Saint Laurent (YSL), Lancôme e Armani, com especial destaque para os produtos da linha Giorgio Armani Cosmetics”.

Para os clientes da perfumaria em Sintra, entre os preferidos femininos estão o Good Girl, da Carolina Herrera, e o La vie est belle da Lâncome. Entre os masculinos, diferentes opções da Hugo Boss e da linha Invictus, da Paco Rabanne, indica Clara Vidal. Estes perfumes também estão na lista dos mais vendidos da L’Oréal.

Já é rara a marca que não tem no portefólio um perfume.Cortesia do El Corte Inglés

No grupo francês, “para além da procura natural pelas novidades, [há] também perfumes icónicos best sellers que são muito procurados nesta época e que por norma surgem em edições limitadas de Natal e em versão coffret, para potenciar ainda mais o momento gifting“.

O Good Girl tem notas de amêndoa, café, jasmim, tuberosa e cacau. No perfume da Lancôme pode notar-se groselha preta, pera, íris, jasmim, flor de laranjeira e baunilha. Já o Acqua di Gio utiliza bergamota, neroli, tangerina verde, jasmim e patchouli da Indonésia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Muitos sapatinhos de Natal escondem um perfume… E as marcas agradecem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião