Primeiro dia de greve nos Registos e Notariado com adesão de 90%

A greve dos trabalhadores dos Registos e Notariado registou esta quarta-feira “uma adesão de 90%”, segundo o sindicato do setor, criticando aspetos da revisão da legislação laboral do Governo.

A greve dos trabalhadores dos Registos e Notariado registou esta quarta-feira “uma adesão de 90%”, segundo o sindicato do setor, criticando aspetos da revisão da legislação laboral proposta pelo Governo e um “défice de 1.500 trabalhadores”. “O descontentamento dos trabalhadores é enorme e isso reflete-se na adesão a esta greve, que até este momento é de 90% do universo total dos trabalhadores”, disse no Porto aos jornalistas o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e do Notariado (STRN), Arménio Maximino.

De acordo com o sindicalista, a paralisação que começou na quarta-feira e se prolonga até sexta-feira deve-se à discordância com “cinco diplomas” da revisão legislativa do setor proposta pelo Governo e a “reivindicação de “critérios objetivos e transparentes para todos os trabalhadores”. “Temos uma legislação que remonta a 1979. O Governo foi incumprindo sucessivamente leis do Orçamento do Estado e chegamos ao fim da legislatura com cinco diplomas ainda por negociar”, explicou Arménio Maximino.

De acordo com o presidente do sindicado, os trabalhadores contestam “as portarias que vêm regular os concursos”, por considerarem necessária “uma formação específica para que os novos candidatos a ingressar nas carreiras o façam com formação adequada”.

“O Governo faz uma proposta colada às carreiras gerais”, lamentou. Para o presidente do STRN, também “os critérios para os concursos são muito pouco objetivos o que leva até a uma certa opacidade”. “Queremos critérios objetivos e transparentes para todos os trabalhadores. Acima de tudo, queremos que os concursos externos não tenham os lugares previamente definidos”, afirmou.

Arménio Maximino destacou ainda a “falta de efetivos”, devido ao “défice de 1.500 trabalhadores”. “Estamos a falar de mais de 30% do total de trabalhadores. Estes diplomas são fundamentais para abrir os concursos externos”, justificou. O responsável criticou ainda os critérios para os serviços mínimos decretados durante a paralisação.

“É inexplicável. Há uma tradição secular para assegurar testamentos e casamentos na iminência de morte de uma das partes. Sempre foi assim. No entanto, pretendeu-se aumentar os serviços munimos e os meios para os assegurar”, observou. Para o sindicalista, os serviços mínimos não respeitaram “os critérios proporcionalidade”.

Em comunicado, o STRN esclarece que “a paralisação nacional do setor dos Registos e do Notariado acontece como forma de pressão para que o Governo abra concursos, internos e externos, com regras mais transparentes e objetivas”.

“Não há concursos há mais 16 anos e o setor, segundo números oficiais, carece de mais de 30% de efetivos. Ou seja, prefigura-se no que se designa por falência técnica, o que tem contribuído para uma prestação deficitária aos utentes que recorrem a estes serviços”, acrescenta. De acordo com o STRN, a greve “por mais funcionários faz-se para que se tente salvar, em última instância, o funcionamento do próprio setor dos Registos e Notariado (principal fonte de receita do Ministério da Justiça)”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeiro dia de greve nos Registos e Notariado com adesão de 90%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião