Vendas de carros sobem há seis anos. Volkswagen derrapa no top das vendas, Mercedes sobe ao pódio

Ao todo, foram vendidos 273 mil novos veículos em Portugal no ano passado, um aumento de 2,6%. Renault continua a ser a mais vendida, mas a Volkswagen afundou no top das marcas mais vendidas.

As vendas de carros voltaram a aumentar em 2018, naquele que é o sexto ano consecutivo de evolução positiva do setor. O crescimento está, contudo, a abrandar e, na fase final do ano, houve mesmo uma quebra. A Renault e a Peugeot continuam a ser as duas mais vendidas, mas há uma mudança significativa no topo das marcas preferidas dos portugueses: a Volkswagen passou do terceiro para o nono lugar, com uma quebra de 25% nas vendas.

Os dados foram divulgados, esta quarta-feira, pela Associação Automóvel de Portugal (ACAP), que dá conta de que, ao todo, foram vendidos 273.213 novos veículos em Portugal no conjunto do ano passado, o que representa um aumento de 2,6%. Em 2017, as vendas de carros tinham aumentado mais de 7%.

Considerando apenas os veículos ligeiros de passageiros, que representam a larga maioria da vendas, o crescimento foi de 2,8%, para as 228.290 unidades. Já as vendas de pesados recuaram 2% no ano passado, totalizando 5.617 vendas.

A Renault e a Peugeot mantêm-se como as duas marcas preferidas pelos portugueses, com aumentos de 3,7% e 8,9% nas vendas de ligeiros de passageiros, respetivamente. Já a terceira marca mais vendida passou a ser a Mercedes, com uma subida de 1,2% das vendas de ligeiros de passageiros.

Isto depois de a Volkswagen ter derrapado no ranking das marcas mais vendidas: passou do terceiro lugar em 2017 para o nono lugar no ano passado, com uma quebra de 24,7%, para os 12.407 veículos ligeiros de passageiros vendidos.

A contribuir para esta quebra da Volkswagen estará a contração do mercado de carros a gasóleo, que representa a larga maioria das vendas da marca alemã. Os automóveis a gasóleo continuam a dominar as vendas, mas, entre janeiro e outubro do ano passado, segundo dados recolhidos pelo Público (acesso condicionado), venderam-se menos 11 mil carros a gasóleo do que em 2017. Esta é a primeira vez desde 2012 em que as vendas de carros diesel caem. Em sentido contrário, regista-se um forte aumento da comercialização de veículos a gasolina e outras energias alternativas, como os carros elétricos.

Marcas de luxo aceleram

Também a maioria das marcas de luxo viu as suas vendas a aumentar. A Jaguar surge como a mais vendida, com uma subida de 22%, para um total de 851 unidades vendidas. Segue-se a Porsche, com um crescimento de 25,6%, para um total de 260 veículos ligeiros de passageiros vendidos.

Já a Ferrari vendeu 23 carros, mais três do que em 2017, enquanto a Lamborghini comercializou sete veículos, também mais três do que um ano antes.

Em sentido contrário, a Maserati e a Aston Martin registaram quebras de 30,8% e de 37,5%, respetivamente, nas vendas de ligeiros de passageiros, para um total de 36 e 10 unidades vendidas.

Notícia atualizada às 18h55 com mais informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas de carros sobem há seis anos. Volkswagen derrapa no top das vendas, Mercedes sobe ao pódio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião