Administração do Hospital de São João demite-se

  • ECO
  • 9 Janeiro 2019

O pedido de renúncia foi entregue esta quarta-feira ao Ministério da Saúde, de acordo com a notícia avançada pela RTP.

A administração do Hospital de São João, no Porto, entregou esta quarta-feira um pedido de renúncia imediata ao Ministério da Saúde, em desagrado com as cativações do Ministério das Finanças. A notícia foi avançada pela RTP. O pedido de saída foi confirmado em comunicado, mas a administração desmente o desagrado mencionado pela estação pública.

“O mandato do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de São João terminou a 31 de dezembro de 2018. Em consequência o CA [conselho de administração] apresentou a renúncia de modo a facilitar a sua substituição da forma mais rápida possível”, lê-se num comunicado, citado pelo Diário de Notícias. Estes, segundo a nota, foram “os únicos fundamentos que estiveram na base do pedido de renúncia”.

Contudo, de acordo com a estação pública, a administração estará desagradada com a permanente falta de recursos financeiros, humanos e técnicos, bem como a degradação das condições de trabalho. O descontentamento terá sido agravado pela forma como o Ministério da Saúdem tem lidado com as greves que prejudicam os hospitais e o Sistema Nacional de Saúde (SNS).

Além disso, desde a demissão em outubro do presidente da Administração Central do Sistema de Saúde, José Carlos Caiado, a instituição está sem presidente, garante a RTP. Caiado deveria ter sido substituído a 30 de novembro, o que não aconteceu. Sem presidente e vice-presidente está também a Administração Regional de Saúde do Norte, desde que Marta Temido, ministra da Saúde, foi nomeada para o cargo.

O Ministério da Saúde já tomou conhecimento do pedido de demissão. “O Ministério da Saúde teve conhecimento do pedido de renúncia do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de São João, na sequência do término do mandato a 31 de dezembro. É um mecanismo que está previsto na Lei”, revela o comunicado do ministério de Marta Temido, citado pela Lusa.

No documento, o Ministério diz que tem dialogado com o Conselho de Administração no âmbito da resolução do processo da ala de pediátrica, “reconhecendo o empenho do presidente em criar condições para a transferência dos doentes pediátricos para as instalações do hospital”.

(Notícia atualizada às 20h59 com comunicado do Ministério)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administração do Hospital de São João demite-se

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião