Apple lucrou menos, teve menos receitas. Quantos iPhones vendeu?

  • Lusa
  • 29 Janeiro 2019

Pela primeira vez, a empresa dirigida por Tim Cook não acompanhou os resultados com os números relativos à venda do seu produto mais emblemático, o iPhone.

A tecnológica Apple anunciou lucros de 19,965 mil milhões de dólares (17,5 mil milhões de euros), no último trimestre de 2018, menos 0,5% do que no mesmo período do ano anterior.

A empresa, sedeada em Cupertino, no Estado da Califórnia, faturou naquele que foi o primeiro trimestre do seu exercício contabilístico 84,310 mil milhões de dólares, menos 4,5% do que no último trimestre de 2017.

Pela primeira vez, a empresa dirigida por Tim Cook não acompanhou os resultados com os números relativos à venda do seu produto mais emblemático, o iPhone, isto depois de no início de janeiro ter alertado para uma desaceleração destas vendas, em especial na China.

No início de janeiro, em carta dirigida aos investidores, Tim Cook informou os investidores que nos três primeiros meses do novo ano fiscal a Apple esperava encaixar 84 mil milhões de dólares, valor abaixo dos entre os 89 mil milhões e os 93 mil milhões de dólares que tinha previsto.

“Apesar de anteciparmos alguns desafios nos principais mercados emergentes, não fomos capazes de ver a magnitude da desaceleração económica, particularmente na China. A maior parte da nossa redução de receita esperada ocorreu na China em relação ao iPhone, Mac e iPad”, referiu então Cook.

A Apple já tinha levantado dúvidas entre os investidores em novembro quando, depois de comunicar os resultados de todo o ano fiscal de 2018, anunciou que iria deixar de publicar os números trimestrais de vendas do iPhone, o que Wall Street interpretou como um mau presságio.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Apple lucrou menos, teve menos receitas. Quantos iPhones vendeu?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião