Ministério Público ouve testemunhas no caso Yupido um ano e meio depois. Ainda não há arguidos

O Ministério Público tem realizado "diversas diligências" e já começou a ouvir testemunhas no âmbito da investigação à Yupido, apurou o ECO. Pouco mudou desde há 16 meses

Lembra-se da Yupido, a empresa portuguesa que tem registado um capital social de quase 29 mil milhões de euros e que mereceu a abertura de investigações judiciais por parte de quatro entidades em setembro de 2017? Cerca de 16 meses depois, o Ministério Público confirma que já está a ouvir testemunhas e a efetuar diligências no âmbito do processo.

Questionada pelo ECO, fonte oficial da Procuradoria-Geral da República confirma que “o inquérito encontra-se em investigação e, no âmbito do mesmo, têm estado a ser realizadas diversas diligências, entre as quais inquirição de testemunhas”. Trata-se de um desenvolvimento em relação à postura até aqui tomada pelo Ministério Público que, quando questionado em relação à Yupido ao longo dos últimos meses, informava apenas que havia um processo em curso.

Quase um ano e meio depois da polémica, a página da Yupido continua a apresentar exatamente as mesmas informações, incluindo o nome do auditor José Rito, que renunciou ao cargo quando o nome da empresa chegou aos títulos dos jornais, e o capital social: 28.768.199.972 euros, isto é, perto de 29 mil milhões de euros. Duas vezes o valor de mercado da Galp Energia, nove vezes o valor do BCP, 15% da riqueza gerada em Portugal em 2016, como escrevia o ECO à data.

Na altura, o ECO também revelou em primeira mão que o capital social da empresa assentava em ativos intangíveis, nomeadamente “uma plataforma tecnológica inovadora” e de um “software de gestão para empresas”. A inscrição do capital social multimilionário assentou na avaliação de um revisor oficial de contas, António Alves da Silva, com 50 anos de carreira. A Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC) afirmou que ia analisar o caso, assim como a Polícia Judiciária e a CMVM. Até agora, desconhecem-se conclusões.

Nos últimos meses, várias têm sido as pistas e informações sobre a Yupido a serem seguidas pelo ECO. No entanto, nenhuma se mostrou suficientemente fundamentada para poder ser dada como verdadeira. O porta-voz da Yupido também deixou de responder às tentativas de contacto e as várias entidades têm repetido as respostas padronizadas já dadas várias vezes nos últimos meses — até agora.

Em junho de 2018, Gabriela Figueiredo Dias, presidente da CMVM, fez referência à Yupido numa audiência no Parlamento, mas sem avançar grandes detalhes: “A Yupido não estava no nosso modelo de risco. Desconhecíamos aquela empresa. Mas, tendo em conta as notícias, enfim, a CMVM, pelo menos, sentiu-se na necessidade de fazer alguma coisa. Estou a dar estes factos, porque estes factos são públicos”, disse, durante uma audição na COFMA. A presidente da CMVM referia-se à colaboração que existe, precisamente, entre a CMVM e a OROC. Também não se conhecem conclusões da investigação da “polícia” dos mercados.

Por esta altura, a Yupido também já deveria ter apresentado há vários meses os primeiros produtos comerciais, como tinham prometido pelos fundadores. Recorde-se que, do capital multimilionário da Yupido, apenas 35.000 euros eram dinheiro real: 10.000 euros de Cláudia Alves (vice-chairman), outros 10.000 euros de Torcato Jorge (chairman) e 15.000 euros de Filipe Besugo (diretor criativo).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público ouve testemunhas no caso Yupido um ano e meio depois. Ainda não há arguidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião