Mourinho paga dois milhões por fraude fiscal em Espanha

O treinador português aceitou cumprir um ano de pena suspensa, que pode ser substituído, contudo, por uma multa de 180 mil euros. Mas, a somar à prisão, Mourinho terá de pagar dois milhões de euros.

Os crimes de fraude fiscal saíram à luz do dia e agora… saiu a sentença. José Mourinho vai cumprir um ano de prisão pelos crimes cometidos em Espanha, entre 2011 e 2012, enquanto era treinador do Real Madrid. A fraude fiscal vai valer-lhe, ainda, uma multa de cerca de dois milhões de euros, mas se a esta quantia o treinador somar-lhe 180 mil euros então a pena de prisão fica suspensa, avança o El País (acesso livre, conteúdo em espanhol).

O ex-treinador do Real Madrid, que se encontra sem clube desde que saiu do Manchester United, era acusado de fuga aos impostos entre 2011 e 2012, num valor que ascende aos 3,3 milhões de euros. José Mourinho criou a sociedade Koper Sevices S.A. para “tornar fiscalmente opacos os benefícios procedentes dos seus direitos de imagem”.

Antes de 2014, o técnico assinou um contrato que simulava a cessação da exploração dos seus direitos de imagem, que passavam para a sociedade com sede nas Ilhas Virgens. Em 2011 e 2012, já no Real Madrid, Mourinho “não declarou nenhuma quantidade procedente dos direitos de imagem”, originando um prejuízo para as finanças espanholas de aproximadamente 1,6 milhões de euros, em 2011, e de cerca de 1,7 milhões de euros, no ano imediatamente a seguir.

A pena de Mourinho é semelhante à que foi encontrada para o processo de Cristiano Ronaldo e outras figuras do futebol, também acusados de não pagar os impostos que deviam quando atuavam no campeonato espanhol. No caso de Ronaldo, no entanto, a pena suspensa foi superior, estabelecida em dois anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mourinho paga dois milhões por fraude fiscal em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião