Schroders reforça posição na Ásia com a aquisição de gestora de património Thirdrock

Transação deverá estar concluída no segundo trimestre do ano. Carteira de 2,6 mil milhões de euros da Thridrock, em Singapura, irá fundir-se aos 508 mil milhões geridos pela Schroders.

A Schroders anunciou, esta quarta-feira, a aquisição da gestora de património asiática Thirdrock. O montante da transação não foi divulgado, mas a carteira de 2,6 mil milhões de euros do grupo Thirdrock será fundida na operação da Schroders, que geria, no final do segundo semestre do ano passado, 508,2 mil milhões de euros em ativos.

A compra é mais um passo no plano de reforço da posição da gestora de ativos na Ásia. O negócio em Singapura agora anunciado segue-se à parceria estabelecida em novembro com o grupo Maybank Asset Management, que visa o mercado de património da Malásia.

“Temos a oportunidade de criar um modelo de negócio único na Ásia, combinando o conhecimento sobre o investimento institucional, a liderança de marca e a rede de contactos da Schroders com o empreendedorismo, abertura e serviço personalizado de uma gestora de ativos independente. Este acordo, juntamente com a parceria recentemente anunciada com o Maybank, demonstra a nossa ambição de criar um negócio de gestão de ativos líder na região“, afirmou Peter Hall, head of global wealth management da Schroders, em comunicado.

A transação deverá estar concluída no segundo trimestre deste ano. Criada em 2019, a Thirdrock tem sede em Singapura e toda a equipa de consultores de clientes e gestores de portfólio irão passar para os escritórios da Schroders na cidade. Jason Lai, CEO e fundador do Thirdrock Group, vai assumir a liderança da área de wealth management da Schroders na Ásia, desempenhando as funções de head of wealth management Asia, liderando o crescimento da unidade de negócio em toda a região.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Schroders reforça posição na Ásia com a aquisição de gestora de património Thirdrock

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião