Advogada da Morais Leitão nomeada árbitra internacional

Catarina Monteiro Pires foi nomeada árbitra internacional da South China International Economic and Trade Arbitratrion Comission, a primeira instituição chinesa de arbitragem internacional.

Catarina Monteiro Pires, sócia da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados, foi convidada a integrar o painel de árbitros internacionais da SCIA, hoje também conhecida por South China International Economic and Trade Arbitration Commission.

Estabelecida com o intuito de resolver litígios através de arbitragem – tanto no panorama doméstico como no internacional – a SCIA é a primeira instituição chinesa de arbitragem a integrar árbitros de jurisdições estrangeiras. Catarina Monteiro Pires será agora, por um mandato de três anos, um desses quadros internacionais.

Conhecida também como Shenzhen Arbitration Commission ou South China International Economic and Trade Arbitration Commission, a SCIA foi criada em 1983 na Zona Económica Especial de Shenzhen, China. Em 2012, adotou as suas próprias regras de arbitragem, tornando-se a primeira instituição nacional de arbitragem prevista na legislação chinesa.

Ao longo de mais de três décadas de prática arbitral, a prestigiada comissão desempenhou funções de mediação e arbitragem em 116 países e regiões, tendo alcançado uma reputação de credibilidade internacional, fruto dos esforços comuns de árbitros provenientes de mais de 50 países, nos quais se incluirá agora a portuguesa Catarina Monteiro Pires. Para a também professora universitária, estes convites são “desafios certamente enriquecedores”.

Catarina Monteiro Pires dedica a sua atividade à resolução de litígios, em especial a arbitragem, doméstica e internacional, atuando como árbitro e como advogada, representando clientes, nacionais e estrangeiros. É também árbitro da lista do Centro de Arbitragem Comercial da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa.

A presença de sócios da Morais Leitão no mercado chinês faz parte de uma estratégia consequente e estruturada a partir da sua rede Legal Circle, que une parcerias em Lisboa, Porto, Funchal, Angola, Moçambique, Macau e, mais recentemente, Hong Kong.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Advogada da Morais Leitão nomeada árbitra internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião