Vice-diretor do FMI: Portugal criou “demasiados novos empregos com salário mínimo”

Vice-diretor do FMI destaca descida do desemprego, mas lamenta que "demasiados postos de trabalho" tenham o salário mínimo. Portugal pode inverter situação com aposta na inovação e exportação.

O desemprego em Portugal tem vindo a baixar consideravelmente desde o pico da crise, mas “demasiados” postos de trabalho que estão a ser criados têm por base o salário mínimo, lamentou o primeiro vice-diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI), David Lipton, que pede uma “nova injeção de vitalidade no mercado de trabalho” para que o país possa competir a nível global.

David Lipton, que participou na conferência “Portugal: reforma e crescimento dentro da Zona Euro”, organizada pelo Banco de Portugal e pelo FMI, diz que o futuro do país não passa apenas por “responder às vulnerabilidades” e deixou esse alerta aos responsáveis políticos nacionais. “O real desafio é melhorar as perspetivas de crescimento de longo prazo. Isto significa aumentar a produtividade e fazer com que Portugal possa participar na competição global pela prosperidade futura”, frisou o vice de Christine Lagarde.

Deu como exemplo desse desafio o atual momento do mercado de trabalho: “Sim, o desemprego tem vindo a cair de forma acentuada e uma grande proporção de postos de trabalho são permanentes. Mas demasiados destes novos empregos têm salário mínimo“.

"Sim, o desemprego tem vindo a cair de forma acentuada e uma grande proporção de postos de trabalho são permanentes. Mas demasiados destes novos empregos têm salário mínimo.”

David Lipton

Primeiro vice-diretor do FMI

Para David Lipton, este cenário de empregos mais qualificados e com melhores salários pode mudar porque cada vez mais as empresas nacionais estão viradas para fora e a competir num mercado não apenas europeu, mas global. “Isto estabelece um prémio na força de trabalho flexível e com competências avançadas. E o nível de educação entre os jovens portugueses é muito mais elevado do que em anteriores gerações”, explicou o responsável.

Para Portugal aumentar a sua concorrência e competir entre as melhores economias mundiais, “o mercado de produto de Portugal precisa de reformas e o setor empresarial precisa se reformular para lidar com a próxima onda da inteligência artificial, da robótica e do comércio eletrónico”, acrescentou. E aqui o governo pode desempenhar um “papel chave” em facilitar esta mudança, “se continuar focado no esforço reformista e se assegurar que a regulação não desencoraja as atividades dinâmicas e inovadoras”.

David Lipton também elogiou o “sucesso económico” em Portugal nos últimos anos, com a saída da crise que foi “construída com base num consenso político”.

Isto não é um feito de menor importância. Enquanto enfrentamos um período de elevada incerteza e risco, este país mostrou que há um caminho a seguir superando as diferenças face aos desafios comuns. Isso é uma lição para o resto da Europa — também para o mundo”, destacou o primeiro vice-diretor do FMI.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vice-diretor do FMI: Portugal criou “demasiados novos empregos com salário mínimo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião