Crédito habitação: há vida para além do spread

  • BRANDS' ECO
  • 29 Março 2019

Quando entra num simulador de crédito habitação só tem olhos para o spread? E se lhe dissermos que há outros indicadores para avaliar qual a proposta de crédito que lhe vai custar menos?

Pode nunca ter utilizado um simulador de crédito habitação na vida, mas certamente já ouviu falar em spread. E mesmo que não saiba exatamente o que significa, já ouviu provavelmente dizer que é a melhor forma para decidir que crédito escolher, porque se tem um spread mais baixo há de ficar mais barato. Só que as coisas não funcionam bem assim.

Mas vamos por partes: primeiro tem de perceber o que é o spread. Este valor representa a margem cobrada pelas entidades de crédito para concederem um empréstimo, variando, por exemplo, em função do perfil do cliente e das garantias e características do empréstimo. O que acontece muitas vezes é que, após o cliente ter feito uma simulação inicial de crédito para compra de casa, é-lhe proposta a redução do spread se contratar outros produtos. Perante um valor de spread mais baixo o cliente acredita que está a realizar uma poupança, quando na verdade o que paga a menos de spread vai pagar a mais noutros produtos.

Vendas associadas para redução do spread

Há várias vinculações, para além do crédito habitação, que uma instituição de crédito pode propor incluir no contrato, desde a domiciliação do ordenado, ao cartão de crédito ou de débito, ao seguro de vida, débito direto, homebanking ou até mesmo os PPR ou outros produtos de poupança.

A contratação destes produtos não pode, no entanto, ser obrigatória para a aprovação do crédito habitação, apenas pode servir para obter um spread mais baixo. As únicas vinculações que podem ser mesmo exigidas aos clientes são a abertura e manutenção de uma conta à ordem e a constituição de um seguro de incêndio caso o imóvel a adquirir esteja em propriedade horizontal (geralmente opta-se por um seguro multirriscos porque, para além do incêndio, contempla outro tipo de coberturas mais alargadas). Mas mesmo neste último caso, o seguro nem sequer tem de ser feito com a entidade que está a conceder o crédito, apenas têm de ser respeitadas as mesmas coberturas.

Num simulador de crédito habitação a que deve prestar atenção

O spread por si só não lhe permite saber se uma proposta de crédito é mais vantajosa do que outra. Para fazer essa análise, partindo do pressuposto que tem várias simulações de crédito com as mesmas características (montante do empréstimo, prazo, tipo de taxa, por exemplo), condição fundamental para poder fazer comparações, preste especial atenção à TAEG e ao MTIC.

A TAEG (Taxa Anual de Encargos Efetiva Global) reflete todos dos custos envolvidos na operação de crédito habitação, incluindo juros, comissões bancárias (comissão de abertura, comissão de formalização, comissão de avaliação, comissão de processamento da prestação, por exemplo), despesas (nomeadamente com impostos e com os emolumentos relativos ao registo da hipoteca) e os custos dos seguros associados ao empréstimo (o seguro multirriscos do imóvel e, frequentemente, também o seguro de vida).

No MTIC (Montante Total Imputado ao Consumidor) ao montante total do crédito a pagar juntam-se todos os custos associados a esse crédito (juros, comissões bancárias, impostos e outros encargos). Corresponde, por isso, ao montante total que o cliente terá de pagar à instituição durante todo o período do empréstimo. Desta forma o cliente tem uma visão clara de quanto dinheiro terá pago no final pelo empréstimo que solicitou.

O que estes indicadores permitem é exatamente ter noção do custo real de um contrato de crédito, incluindo os produtos extra que são adquiridos com o objetivo de baixar o spread.

Afinal de contas, vale a pena contratar outros produtos para além do crédito habitação?

Depende. Há uma regra de bom senso: se não precisa de algo, porque vai adquiri-lo? Tem de pensar sobre a utilidade dos produtos que vai contratar e verificar, com os indicadores referidos, qual o peso que têm sobre o valor total que vai pagar pelo empréstimo. Caso não esteja interessado sequer em considerar produtos complementares há entidades, como a UCI, que propõem crédito habitação sem vinculações, pondo de lado esses produtos extra e focando-se apenas naquilo que verdadeiramente lhe interessa.
Portanto, agora só tem de entrar num simulador de crédito habitação e testar.

Comentários ({{ total }})

Crédito habitação: há vida para além do spread

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião