Gigantes empresariais podem prejudicar a economia, avisa o FMI

Se continuarem a ganhar força, as empresas com maior capacidade de aumentar a sua margem de lucro podem prejudicar a economia, inovação, emprego, investimento e aumentar a desigualdade.

Se os gigantes empresariais ganharem ainda mais poder nos mercados que já dominam, a economia vai sair prejudicada e a desigualdade vai aumentar, alertou esta quarta-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI), que diz ainda que a dimensão destas empresas já está a tornar mais difícil a resposta dos decisores a recessões e a limitar o alcance da descida das taxas de juro pelos bancos centrais.

O tema começa a estar na ordem do dia, especialmente com o crescimento contínuo de gigantes empresariais como a Google, o Facebook e a Amazon. O FMI propôs-se a analisar a temática e para isso teve de encontrar a sua própria definição para o ‘poder de mercado’.

Segundo a instituição, num artigo publicado esta quarta-feira, olhar apenas para a concentração pode ser enganador, e por isso os técnicos prefiram olhar para as empresas com capacidade para cobrar um custo final muito acima do custo de produção.

As conclusões foram que este poder aumentou de forma marginal nas economias desenvolvidas, mas concentrado num número reduzido de empresas, especialmente empresas que apostam em grandes avanços tecnológicos.

Até agora, diz o FMI, o impacto na economia desta concentração de poder num conjunto reduzido de empresas tem sido modesto, e traduz-se essencialmente em menor investimento, mas esta pode ser uma tendência perigosa para o futuro e reduzir o investimento, criar obstáculos à inovação, aumentar a desigualdade e limitar a capacidade da política monetária para responder a crises.

A partir de certo ponto, o aumento deste poder de mercado diminui o incentivo a inovar” explica o FMI, acrescentando que este é um problema nas economias mais desenvolvidas que, apesar de ainda não se ter alastrado aos mercados emergentes, tem impacto negativo em todos, já que os preços aumentam ao longo de toda a cadeia de distribuição.

O Fundo também avisa que as empresas com maior poder têm uma procura mais rígida sobre os seus produtos e têm cortado a produção e o investimento para darem retornos mais elevados para os seus acionistas, o que leva a uma queda do emprego e um aumento da desigualdade salarial entre empresas.

Por estas razões, o FMI defende que é preciso fazer reformas estruturais para garantir que facilitar a entrada das empresas nos diferentes mercados e dar mais poder às autoridades responsáveis pela concorrência para investigar e impor remédios, não só no caso de grandes fusões, mas também quando empresas grandes absorvem concorrentes pequenos, caso o negócio tenha como intuito impedir a concorrência num determinado mercado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gigantes empresariais podem prejudicar a economia, avisa o FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião