REIT obrigados a ter 20% nas mãos de pequenos investidores. Caso contrário, perdem estatuto

As sociedades de investimento e gestão imobiliária são obrigadas a dispersar a totalidade do capital em bolsa. E têm de ter, sempre, 20% nas mãos de investidores com menos de 2%.

As recém-criadas Sociedades de Investimento e Gestão Imobiliária (SIGI) terão de ter sempre, pelo menos, 11 pequenos investidores, além dos principais acionistas, para não perderem o estatuto. A regra preocupa o setor, enquanto a gestora de índices Euronext diz que a responsabilidade é dos bancos.

O decreto-lei que regula as SIGI (também conhecidas pela sigla em inglês REIT – Real Estate Investment Trusts) entrou em vigor a 1 de fevereiro e ainda não existe nenhuma em Portugal. Para que aconteça, a totalidade do capital social tem de ser colocado em bolsa até um ano após a constituição destas sociedades, sendo que a lei prevê que este não possa ser inferior a cinco milhões de euros.

“A entrada em bolsa é uma questão estratégica de alargamento das fontes de financiamento, que leva a melhorias do poder negocial”, afirmou Filipa Franco, head of listing da Euronext, numa conferência sobre o tema organizada pelo grupo e pela sociedade de advogados Linklaters, esta quarta-feira em Lisboa. “Outra razão é conseguir capital porque no mercado de capitais, as empresas têm acesso a uma base de investidores alargada, mas também liquidez e visibilidade”.

Filipa Franco lembrou que existem atualmente mais de 90 empresas de investimento imobiliário por toda a Europa listadas na Euronext, mas sublinhou que as portuguesas SIGI têm requisitos de admissão (num mercado regulamentado ou não regulamento) e dispersão de capital. “Além dos regulamentos da Euronext, têm de cumprir outros requisitos para beneficiar desse estatuto”, afirmou, apontando para a obrigatoriedade prevista na lei de 20% do freef loat estar disperso em participações inferiores a 2% não só no momento da colocação, mas também depois.

Questionada sobre os desafios que este requisito implica, a head of listing da Euronext explicou que a forma de contornar a questão prende-se com o mecanismo da oferta e com a capacidade de o assessor financeiro em identificar investidores. “O que é necessário é que o emitente e o vendedor estejam disponíveis para terem participações mais baixas. Os investidores podem ultrapassar os 2%, mas têm de ter pelo menos 11 investidores com participações mais baixas. Não é algo que nós [Euronext] possamos assegurar, mas é algo que os bancos têm de assegurar“, disse.

Diogo Plantier Santos, counsel da Linklaters, clarificou ainda: “Se este limite deixar de se verificar durante mais de seis meses, a sociedade perde a qualidade de SIGI“. Os intervenientes no debate consideram, no entanto, que o propósito da colocação em bolsa é exatamente a diversificação da base de investimentos e que o setor do imobiliário está muito ativo nas operações de financiamento, apontando para os números na Europa.

Imobiliário europeu conseguiu quase sete mil milhões em 2018

Nos últimos seis anos, foram levantados 50 mil milhões de euros (em ações e dívida) por empresas relacionadas com imobiliário. Apenas no ano passado, foram 2.418 milhões de euros em ações e 4.297 milhões de euros em dívida.

Thomas Ten Hoedt, da empresa holandesa Kempen Corporate Finance que se especializou em investimento imobiliário, concorda com a visão, dizendo que “há muitas oportunidades para estas empresas crescerem no mercado de capitais”. Lembrou ainda que o índice especializado EPRA Developed Europe disparou dos 61 mil milhões de euros em capitalização de mercado, em 2009, para 289 mil milhões, este ano.

O investimento vem especialmente dos EUA, Reino Unido e Benelux — Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo. “O que os investidores querem ver é um bom registo histórico da gestão, transparência e decisão sobre os setores porque a especialização é muito importante”, referiu Ten Hoedt.

Há, no entanto, diferenças entre o regime português e, por exemplo, o espanhol, que foi dado pelo Governo como exemplo a seguir. Rui Camacho Palma, partner da Linklaters, explicou que o diploma aprovada em janeiro não prevê um novo regime fiscal mas faz referência a um regime pré-existente desde julho de 2015 sobre sociedades de investimento imobiliário. Este prevê a isenção de pagamento da derrama municipal e estadual. Em contrapartida, implica um imposto de selo trimestral sobre o total dos ativos (0,0125%).

Esta poderá ser uma das questões clarificadas na apreciação parlamentar do diploma, que terá lugar a 16 de abril. Os partidos irão discutir vários aspetos da lei, incluindo o regime fiscal, mas também a clarificação dos fins económicos abrangidos. A abordagem já tem, no entanto, críticas por parte da Euronext.

“Pode ser interessante para uma variedade de áreas e setores (turismo, hospitais, retalho, comércio, habitação). Permite financiar vários setores sem que as empresas tenham de abrir todo o capital da empresa, mas apenas uma parte. Ao contrário do que tem sido veiculado por alguns partidos políticos (até no pedido de apreciação parlamentar), não se trata de um veículo especulativo. É um investimento de longo prazo que promove estabilidade”, disse ainda Isabel Ucha, presidente da Euronext Lisbon.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

REIT obrigados a ter 20% nas mãos de pequenos investidores. Caso contrário, perdem estatuto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião