Bordallo Pinheiro investe 9 milhões e cria mais de 100 postos de trabalho

  • Ricardo Vieira
  • 12 Abril 2019

Expansão da fábrica nas Caldas da Rainha prevê um aumento da capacidade de produção em 60%.

Na expansão e modernização da fábrica da Bordallo Pinheiro nas Caldas da Rainha custou nove milhões de euros, que vão permitir aumentar em mais de 60% a capacidade de produção.

A empresa, pertencente ao grupo Vista Alegre, cresceu também ao nível de recursos humanos, já que a nova fábrica motivou a admissão de mais de uma centena de colaboradores, alguns dos quais altamente qualificados.

Estas mudanças vão permitir aumentar os níveis de competitividade da empresa e expandir a sua capacidade de produção para os desafios dos mercados externos, responsáveis por 75% da faturação.

Inauguração da fábrica contou com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, e do Ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira.D.R.

De acordo com Nuno Marques, presidente do Conselho de Administração do grupo Vista Alegre, “toda esta reestruturação assentou em três pilares fundamentais — visão estratégica, paixão pela arte Bordalliana e pelo legado de Bordallo Pinheiro e capacidade de realização e superação –, dando origem ao InovBordallo, um projeto que nasce da partilha de conhecimento entre empresas do mesmo grupo, acrescentando às competências da Bordallo Pinheiro, o know how e o conhecimento acumulado no Grupo Visabeira e no Grupo Vista Alegre”.

O investimento na marca, com o apoio do Programa de Incentivos à Inovação Produtiva do Portugal 2020, passa também pela reorganização dos espaços da loja Bordallo e do museu, criando um complexo a que se juntará a abertura de uma nova loja. Além de Lisboa, a Bordallo Pinheiro tem um espaço comercial em Madrid e abriu recentemente duas lojas em Paris.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bordallo Pinheiro investe 9 milhões e cria mais de 100 postos de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião