Secretária de Estado do Turismo nega atraso nos concursos para concessões de casinos

O gabinete da secretária de Estado do Turismo afirma que não existe nenhum atraso nos concursos, "uma vez que as primeiras concessões terminam no prazo de um ano e oito meses".

“Não existe qualquer atraso nos concursos relativos às concessões de casinos”, reagiu o gabinete da Secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, à notícia avançada esta segunda-feira pelo jornal Público que dá conta que o atraso no lançamento do concurso público internacional para as próximas concessões de três casino portugueses pode comprometer a atividade e o investimento futuro.

Numa nota enviada às redações, o gabinete da Secretária de Estado do Turismo afirma que não existe nenhum atraso, “uma vez que as primeiras concessões terminam no prazo de um ano e oito meses”.

Ao Público, Mário Assis Ferreira, presidente não executivo da Estoril-Sol, disse que “é preocupante que ainda não se saiba nada dos concursos”. O gestor apontou, também, para a necessidade de serem concursos internacionais “sujeitos a uma série de burocracias legais”, explicando, ainda, que existe a “promessa do Governo” de que os operadores seriam “consultados para contribuir com conhecimento para a elaboração do caderno de encargos, mas até agora nada aconteceu”.

o gabinete da Secretária de Estado do Turismo avança que o calendário está a ser cumprido. “Os concursos estão a ser preparados, estando a ser cumprido o calendário previsto para o seu lançamento atempado, não existindo qualquer atraso na programação”.

O prazo das atuais concessões dos casinos de Lisboa, Estoril (ambos atribuídos à Estoril-sol) e Figueira da Foz (da responsabilidade da Figueira Praia, participada da Amorim Turismo, chegam ao fim a 31 de dezembro de 2020. Já os casinos da Póvoa de Varzim, Espinho, Portimão, Vilamoura e Monte Gordo veem a atual concessão terminar apenas a 31 de dezembro de 2023, bem como os casinos de Tróia e Chaves.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Secretária de Estado do Turismo nega atraso nos concursos para concessões de casinos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião