Moscovici sobre crise política em Portugal: Costa teve “posição sábia e firme”

Na apresentação das previsões, o comissário europeu deixou um elogio à tomada de posição de Costa e disse que a crise política não altera a opinião de Bruxelas sobre a economia portuguesa.

O comissário europeu para os assuntos económicos defendeu esta terça-feira que António Costa adotou uma “posição sábia e firme” na crise política e que a nova situação política em Portugal não tem impacto nas previsões da Comissão Europeia.

Pierre Moscovici falava na conferência de imprensa de apresentação das previsões de Primavera da Comissão Europeia. Questionado sobre se os novos riscos políticos em Portugal — com o Governo a manter em cima da mesa o cenário de demissão — podem ter impacto na previsão de Bruxelas, o comissário afirma que o chefe do Governo português adotou uma “posição sábia e firme. Não temos nenhuma razão para modificar a nossa avaliação sobre a economia portuguesa”.

A Comissão manteve esta terça-feira a previsão de crescimento do PIB para este ano em 1,7%.

Antes disso, o comissário europeu socialista tinha dito que não comentava crises políticas em direto.

A demissão do Governo pode levar a eleições antecipadas e acontece porque uma coligação entre o PSD, CDS, BE e PCP no Parlamento aprovou na passada quinta-feira a contagem integral do tempo de serviço na carreira dos professores.

No entanto, este domingo, PSD e CDS admitiram mudar de posição na votação final global do diploma — que pode acontecer a 10 ou a 15 de maio — caso não fossem incluídos travões de sustentabilidade na lei. Apesar disso, António Costa quer esperar pela votação final global, não excluindo já o cenário de demissão do Executivo.

Sobre as previsões de Primavera, o comissário disse que todos os estados-membros vão crescer este ano, falou das melhorias no mercado de trabalho e explicou o facto a previsão de o défice para o conjunto da Zona Euro ficar pior este ano com o abrandamento do crescimento e as políticas orçamentais expansionistas em alguns estados-membros.

(Notícia atualizada)

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moscovici sobre crise política em Portugal: Costa teve “posição sábia e firme”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião