Depois de uma das piores sessões do ano, Wall Street recupera

Os principais índices da bolsa de Nova Iorque regressaram às subidas, com os investidores mais tranquilizadas com as negociações do acordo comercial entre Estados Unidos e China.

A bolsa de Nova Iorque está a subir, com os investidores mais otimistas relativamente às negociações entre os Estados Unidos e a China e a procurarem bons negócios, depois de na segunda-feira Wall Street ter registado um dos piores dias do ano.

O índice industrial Dow Jones sobe 0,3%, enquanto o Nasdaq, que agrupa as ações das principais tecnológicas, valoriza 0,56%. O S&P 500, que junta as 500 maiores empresas cotadas em Nova Iorque, ganha 0,32%. Na segunda-feira, devido à intensificação das tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China, o Dow Jones e o S&P 500 tiveram a maior queda em percentagem desde o início do ano.

Os sinais vindos de Washington e de Pequim esta terça-feira apontam para a continuação das negociações entre as partes, tendo em vista um acordo comercial.

Mesmo com o anúncio dos EUA de um agravamento das taxas sobre as importações chinesas, e da retaliação já esperada da China, os investidores estarão a valorizar a continuação das negociações, mantendo a esperança de que será possível evitar uma guerra comercial prolongada entre as duas maiores economias do mundo.

Donald Trump disse que irá conversar com Xi Jinping no final de junho, por ocasião da cimeira do G20. O governo chinês disse apenas que as duas partes concordaram em manter as negociações abertas, uma mensagem que terá acalmado os mercados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de uma das piores sessões do ano, Wall Street recupera

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião