Wall Street regressa aos ganhos depois de recuo nas sanções à Huawei

O prazo dado pelos EUA para aplicar as sanções à Huawei, de três meses, animou os investidores. Os títulos do setor tecnológico fecharam a sessão em alta.

Wall Street fecha a sessão em alta, depois de um recuo dos Estados Unidos nas sanções à Huawei. O setor tecnológico tinha sofrido com os receios do impacto de restrições aplicadas ao grupo chinês, mas, com a suspensão temporária dessas sanções, os títulos das empresas da área voltaram aos ganhos.

Donald Trump colocou a Huawei na “lista negra das exportações” e a Google e outras fornecedoras da fabricante seguiram os passos e anunciaram um corte de relações com o grupo chinês. Mas, na segunda-feira, os EUA decidiram suspender por três meses o sancionamento da fabricante chinesa, que vai assim poder utilizar componentes e programas informáticos norte-americanos.

Este período dará assim tempo para a Huawei e os seus parceiros comerciais se adaptarem, notícias que animaram o setor. O índice tecnológico Nasdaq avançou 1,08% para os 7.785,72 pontos, recuperando das perdas da sessão anterior. A Apple, que tinha sido uma das mais penalizadas, subiu 1,92% para os 186,60 dólares.

A Alphabet, dona da Google, beneficia também deste adiamento das restrições à Huawei. Os títulos da tecnológica subiram 0,85% para os 1.154,44 dólares. Outros fornecedores da fabricante chinesa conseguiram também regressar aos ganhos, nomeadamente a Qualcomm, que subiu 1,47%, e a Intel, que avançou 2,07%.

Estes desenvolvimentos animaram também os outros índices de Wall Street. O industrial Dow Jones subiu 0,77% para os 25.877,6 pontos e o alargado S&P 500 valorizou 0,85% para os 2.864,46 pontos.

Já a Tesla manteve-se em queda, numa altura complicada para a empresa. No final da semana passada, Elon Musk lançou o aviso de que a liquidez da Tesla só dá para 10 meses, e pediu novos sacrifícios à comunidade laboral. Os títulos da Tesla recuaram 0,14% para os 205,08 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street regressa aos ganhos depois de recuo nas sanções à Huawei

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião