Mota-Engil ganha contrato de 270 milhões no norte de Angola

  • Lusa
  • 28 Maio 2019

A construtora portuguesa ganhou um contrato de 270 milhões de euros para a modernização das Instalações Navais do Soyo, no norte de Angola.

A construtora Mota-Engil informou esta terça-feira o mercado que se concluíram “os últimos trâmites legais” conducentes a um contrato de 270 milhões de euros para a modernização das Instalações Navais do Soyo, no norte de Angola.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Mota-Engil informa que, através da Mota-Engil Engenharia e Construção África, “se concretizaram os últimos trâmites legais conducentes à execução de um contrato para a modernização das Instalações Navais do Soyo, no norte de Angola”.

A construtora liderada por Gonçalo Moura Martins adianta que o contrato totaliza 270 milhões de euros e contempla a execução de três atividades principais: dragagem, construção de cais e edifícios e infraestruturas. “O financiamento integral do projeto está assegurado por uma instituição de crédito à exportação”, acrescenta a Mota-Engil.

A construtora portuguesa refere no comunicado que “a confirmação da adjudicação deste contrato em toda a sua extensão é mais um exemplo relevante da dinâmica comercial da Mota-Engil em África, e em Angola em particular, continuando este país a afirmar-se como um pilar do desenvolvimento do Grupo”.

A Mota-Engil adianta que, nos últimos dias, foram também adjudicados “contratos de menor dimensão em Angola, no Uganda, em Moçambique e no Malawi”, num valor total de cerca de 180 milhões de euros, na sequência dos quais a carteira de encomendas cresceu 450 milhões de euros na região africana.

A dez de maio, a Mota-Engil anunciou ter assinado novos contratos no Quénia no valor de 100 milhões de euros, relativos ao projeto, construção, operação e manutenção por dez anos de duas redes de estradas naquele país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil ganha contrato de 270 milhões no norte de Angola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião