Comer sardinhas nos Santos Populares vai encarecer? “Teoricamente sim”, mas existem outros fatores

Este ano, os pescadores viram reduzir as toneladas permitidas de captura de sardinha. Com menos oferta e os Santos Populares à porta, a pergunta é se o preço a pagar por uma sardinha vai aumentar.

Os Santos Populares estão à porta e a sardinha já começa a fazer “água na boca” de muitos portugueses, que não perdem a oportunidade de percorrer os arraiais à procura de sardinha assada na brasa. . Mas, este ano, comer uma sardinha pode, “teoricamente”, sair mais caro, ainda que, na prática, existam vários fatores a determinar o preço.

A pergunta que se impõe é se, tendo em conta que a quota de sardinha para este ano é menor e que só se começa a pescar a 3 de junho, os preços podem aumentar. Para Jorge Abrantes, consultor da Associação Nacional das Organizações de Produtores da Pesca do Cerco (Anopcerco), essa leitura não é assim tão “linear”.

“O mercado funciona em função da simples lei da oferta e da procura. Relativamente à oferta, de facto, temos uma redução da possibilidade de captura diária, o que, teoricamente, pode significar um acréscimo do preço médio”, diz ao ECO.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatísticas (INE), ao longo dos últimos 20 anos, a captura de sardinhas tem vindo a recuar, caindo mesmo mais de 30%. Já o preço médio tem registado um crescimento médio anual superior em 4,1 vezes ao preço médio do pescado transacionado em lota.

Contudo, “nada nos garante que isso aconteça”, salienta Jorge Abrantes, referindo-se ao aumento do preço das sardinhas nas festas populares dos Santos. Segundo o consultor da Anopcerco, existem vários fatores que influenciam o preço, começando, desde logo, pela existência de concorrência externa, nomeadamente sardinha que venha de Espanha e que seja colocada no mercado nacional.

“Outro fator importante é a qualidade da sardinha”, acrescenta. “Costuma dizer-se que sardinha de São João pinga no pão. Isto porque se a sardinha pingar no pão é porque tem um teor de gordura agradável. E isso é fundamental para a qualidade”, explica o consultor da Anopcerco. Assim, também esse teor pode determinar o preço da sardinha, na medida em que quanto mais agradável for, mais procura haverá. E, nesta altura do ano, este peixe é “rei”, assumindo particular apetência, sendo que, mesmo depois dos Santos Populares, “a sardinha constitui um elemento essencial da gastronomia balnear”.

Há menos sardinhas. Mas não é por “falta dela”, é por “imposição”

Este ano, os pescadores portugueses só voltam à apanha de sardinha no dia 3 de junho. O regresso à pesca neste dia pretende concentrar a atividade na altura dos Santos Populares, durante os quais Humberto Jorge, presidente da Anopcerco, já dizia, em meados de maio, que não haveria escassez. “Não vai faltar nos Santos Populares”, afirmou ao Correio da Manhã (acesso livre), na altura.

Os pescadores consideram que há condições para aumentar a quota de sardinha, sem comprometer a sustentabilidade do ecossistema.Unsplash

A garantia foi dada, apesar de as capturas permitidas para 2019 serem menores do que as exigidas pelos armadores. Jorge Abrantes explica que os pescadores tiveram de diminuir a captura de sardinha por “imposição quantitativa, não por falta dela”. “Da parte da produção, entendemos que existem condições para manter ou até aumentar o número de capturas de 2018”, que rondou as 9.700 toneladas em Portugal. O valor foi, no entanto, já “bastante mais baixo daquilo que tinha sido em 2017”, altura em que foram recolhidas 14.694 toneladas de sardinhas.

“Este ano, o ponto de partida são cerca de 7.800 toneladas”, diz a Anopcerco, salientando que este é um número que poderá ser, ainda, alvo de ajustamento. No despacho publicado a 14 de maio em Diário da República (DR), lê-se que o valor é “possível de ser revisto em função dos novos dados da investigação científica sobre a sardinha”. A expectativa da Anopcerco é que exista, de facto, um aumento do que está atualmente definido: um limite anual de 10.799 toneladas para Portugal e Espanha, em que 66,5% desse valor é destinado a Portugal (7.181 toneladas).

Sardinha congelada é uma alternativa. Mas preços podem aumentar

Sempre que falta sardinha fresca, o peixe congelado aparece como uma alternativa. “A sardinha congelada é a que restou dos passados meses de agosto e setembro”, afirma Jorge Abrantes, acrescentando que esta sardinha está à espera de “eventuais falhas nas frescas para concorrer no mercado”.

"Falta matéria-prima para o congelamento, que faz face à falta [de sardinha] ao longo de todo o ano. Como não sobram, a indústria da congelação não pode congelar.”

Jorge Abrantes

Consultor da Anopcerco

A diferença de preços entre as duas, “normalmente é significativa”, já que “uma boa sardinha fresca, teoricamente, tem um preço mais elevado que a congelada”. Ainda assim, há alturas do ano em que a lei da oferta e da procura provoca alterações, fazendo mesmo com que a sardinha congelada assuma “preços bastante elevados” e, sobretudo, “quando não há sardinha fresca”.

Por outro lado, também a sardinha congelada atravessa uma maré mais agitada. “Naturalmente, se as possibilidades de captura forem condicionadas, haverá muita dificuldade em congelar sardinha com as características que interessem para o consumo”, afirma, acrescentando que essa tem sido, aliás, uma queixa recorrente por parte da indústria da congelação. “Falta matéria-prima para o congelamento, que faz face à falta [de sardinha] ao longo de todo o ano. Como não sobram, a indústria da congelação não pode congelar“, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comer sardinhas nos Santos Populares vai encarecer? “Teoricamente sim”, mas existem outros fatores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião