Estado perdeu 170 obras de arte de coleção pública

  • ECO
  • 1 Junho 2019

Segundo o Expresso, no inventário que o Estado está a realizar já deu conta do desaparecimento de 170 obras de arte. Embaixadas, institutos públicos e gabinetes governamentais entre os visados.

O Estado perdeu 170 obras de arte da Coleção de Arte Contemporânea do Ministério da Cultura, entre elas obras de Júlio Pomar, Vieira da Silva e Helena de Almeida, noticia o semanário Expresso.

De acordo com o semanário, a Direção-Geral do Património cultural está a fazer um inventário das obras da coleção do Estado, com mais de 1300 obras de artistas nacionais e estrangeiros compradas ao longo dos anos.

Algumas das obras terão servido de decoração em várias embaixadas portuguesas no estrangeiro durante os anos 90, mas já no início da década seguinte, quando se tentaram recuperar essas obras, muitas já tinham desaparecido, e as embaixadas não sabiam seu paradeiro ou o que teria acontecido.

Mas não foi só de embaixadas que desapareceram estas obras. Parte da coleção do Estado tem sido usada para decorar institutos públicos e gabinetes governamentais, e algumas destas também desapareceram sem deixar rasto.

Estão em causa peças de Maria Helena Vieira da Silva, Graça Morais, António Dacosta, José de Guimarães, Cristina Iglésias, Rosa Ramalho, Malangatana, Fernando Lanhas, Pedro Proença, Abel Manta, Francisco Franco, Martins Correia, Manuel Baptista, António Costa Pinheiro e Francisco Rocha, diz o semanário Expresso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado perdeu 170 obras de arte de coleção pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião