Konica Minolta lança “hub” que permite às empresas “funcionar”

  • Ricardo Vieira
  • 3 Junho 2019

User friendly, segurança e serviço de suporte são os paetos mais valorizados pelas empresas que já utilizam esta tecnologia.

A Konica Minolta acaba de lançar em Portugal o Workplace Hub, um equipamento compacto que junta o hardware e software necessário para uma empresa funcionar. Cada Hub, que ocupa cerca de um metro quadrado, combina armazenamento de dados, uma impressora multifuncional, recursos avançados de segurança cibernética, um servidor HP Enterprise e pontos de acesso WiFi.

Para o desenvolvimento desta solução “all in one”, a tecnológica japonesa avaliou as necessidades do mercado através da realização de um estudo, como explicou ao ECO, Pedro Monteiro, managing director deputy.

“Para o Workplace Hub (WHP) foi elaborado um estudo a nível europeu (…), os resultados indicaram que, atualmente, as organizações enfrentam vários desafios, nomeadamente, questões relacionadas com IT”, refere. Os constrangimentos mais comuns são a disponibilidade dos sistemas (27%), problemas na administração dos sistemas de TI (24%); desatualização de software (24%), problemas com acesso à internet (20%), falhas de segurança (23%) e questões relacionadas com a disponibilidade dos servidores (20%).

A produtividade dos colaboradores foi também tida em conta no desenvolvimento do produto, afinal 37% das empresas inquiridas indicaram que as soluções tecnológicas que têm implementadas impactavam na eficiência das equipas.

O WHP, desenvolvida em parceria com a Hewlett Packard Enterprise, Sophos e Microsoft, foi lançado inicialmente, em 2018, em França, Alemanha, República Checa e Estados Unidos. “O feedback de clientes é muito vincado no que toca à simplicidade de utilização, à segurança de ter uma equipa de especialistas atentos à sua infraestrutura e dados, bem como à redução de pontos de contacto com fornecedores para apenas um fornecedor único”, refere o mesmo responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Konica Minolta lança “hub” que permite às empresas “funcionar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião