Bruxelas veta fusão entre ThyssenKrupp e Tata por temer aumento no preço de aço

  • Lusa
  • 11 Junho 2019

A decisão foi anunciada esta terça-feira pela comissária para a Concorrência, Margrethe Vestager, que disse que esta fusão teria colocado sérias preocupações sobre a concorrência e a concentração.

A Comissão Europeia vetou hoje a fusão entre a siderúrgica alemã ThyssenKrupp e a indiana Tata Steel, por considerar que a concentração entre as duas empresas reduziria a concorrência e aumentaria os preços de diferentes tipos de aço.

“Sem soluções para debelar as nossas sérias preocupações no âmbito da concorrência, a concentração entre a Tata Steel e a ThyssenKrupp teria resultado em preços mais elevados, pelo que proibimos a fusão para evitar um prejuízo grave às indústrias e consumidores europeus”, sustentou a comissária da Concorrência, Margrethe Vestager.

A decisão anunciada esta terça-feira resulta de uma investigação aprofundada, lançada pelo executivo comunitário em outubro passado, com vista a avaliar o impacto que uma fusão entre dois dos maiores produtores de aço do Espaço Económico Europeu (EEE) poderia ter na concorrência do setor na União Europeia.

A investigação concluiu que a operação teria reduzido o número de fornecedores disponíveis e provocado um aumento dos preços dos produtos de aço de revestimento metálico e laminado para embalagens, assim como dos produtos em aço galvanizado destinado ao setor automóvel, e que os compradores também não conseguiriam importar de países terceiros para “compensar as potenciais subidas de preços induzidas pelo projeto de concentração”.

“A Comissão concluiu que, no mercado do aço de revestimento metálico e laminado para embalagens e no do aço galvanizado para o setor automóvel, a pressão concorrencial exercida por outros operadores e por importações de países terceiros não seria suficiente para garantir o exercício de uma concorrência efetiva”, frisou o executivo em comunicado.

O executivo comunitário considera “chave” o setor siderúrgico, que emprega umas 360 mil pessoas na União Europeia, e argumenta que a decisão de hoje “preserva o exercício da concorrência efetiva nos mercados siderúrgicos europeus e a competitividade no setor”.

O veto à concentração entre os dois grupos permitirá, segundo Bruxelas, que os consumidores europeus possam continuar a usufruir de “produtos enlatados acessíveis” e que “a indústria europeia do automóvel possa abastecer-se de aço a preços competitivos no Espaço Económico Europeu”.

A ThyssenKrupp e a Tata Steel são, respetivamente, o segundo e o terceiro maiores produtores de aço de carbono no EEE, com ambas as empresas a serem grandes produtoras de aço de revestimento metálico e laminado para embalagens e no do aço galvanizado para o setor automóvel.

Em 10 de maio, o grupo industrial alemão já tinha antecipado o fracasso do projeto de concentração com a Tata, excluindo fazer mais concessões a Bruxelas para conseguir ‘luz verde’ para o negócio e anunciando um “novo programa de reestruturação” que iria suprimir 6.000 postos de trabalho no mundo, 4.000 dos quais na Alemanha.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas veta fusão entre ThyssenKrupp e Tata por temer aumento no preço de aço

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião