Eurogrupo falha acordo na dimensão e formas de financiamento do orçamento da Zona Euro

Ministros das Finanças da Zona Euro chegaram esta madrugada a acordo quanto à governação e funções do futuro orçamento europeu, mas falharam consenso na dimensão e formas de financiamento.

O acordo alcançado esta sexta-feira foi suficiente para o Eurogrupo falar de um orçamento da Zona Euro, mas não chegou para um consenso em torno da dimensão e financiamento do novo instrumento. Isso é trabalho para os líderes europeus, disse esta sexta-feira Mário Centeno, presidente do Eurogrupo.

O presidente do Eurogrupo diz que os ministros das Finanças dos 19 países da Zona Euro deram “pequenos passos” no sentido da criação de um orçamento conjunto na reunião que começou na quinta-feira e terminou pelas 4h30 desta sexta-feira.

“Trata-se de um importante passo em frente no reforço da moeda única. O instrumento permitirá aumentar a convergência e competitividade das nossas economias, através de um crescimento mais inclusivo, uma resistência acrescida e um processo de governação da Zona Euro”, disse Mário Centeno. De acordo com o presidente do Eurogrupo, o novo instrumento “irá financiar reformas estruturais e investimentos públicos-alvo de propostas coerentes de Estados-membros, refletindo a nossa orientação comum e outras condições obrigatórias”.

No encontro, houve acordo quanto às funções e governação do futuro orçamento da Zona Euro, mas os 19 ministros da zona euro acabaram por deixar para os líderes da União Europeia as questões mais importantes: o financiamento e o valor do orçamento da zona euro, admitiu Mário Centeno em conferência de imprensa, esta sexta-feira, no Luxemburgo.

“Quando se fala de orçamento, o tamanho conta e isso será decidido pelos líderes ainda este ano”, afirmou Centeno, reconhecendo que os ministros das Finanças cobriram “muito terreno, mas ainda [precisam] de trabalhar mais para encontrar soluções”.

Apesar da falta de consenso em questões fundamentais, Pierre Moscovici, acabou por se congratular com o resultado do encontro. Para o Comissário Europeu para Assuntos Económicos e Financeiros haver acordo sobre as funções e a governação do futuro orçamento é já uma conquista considerando que “alguns países eram completamente contra a criação de um orçamento europeu, eram contra o princípio e a contra a palavra em si”. “Abrimos a porta e devemos ver agora o que vai acontecer”, disse.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Eurogrupo falha acordo na dimensão e formas de financiamento do orçamento da Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião