João Pereira Coutinho já deu ordem para tirar SAG da bolsa

Já deu entrada na CMVM o pedido para que a SAG deixe de cotar na praça bolsista nacional, avançou a empresa em comunicado ao regulador. de João Pereira Coutinho já tem 95,03% dos direitos de voto.

A saída da SAG da bolsa de Lisboa ficou mais próxima. João Pereira Coutinho já entregou na CMVM o pedido de perda da qualidade de sociedade aberta da empresa do setor automóvel, revela um comunicado enviado ao regulador nesta quarta-feira.

“Tendo o Oferente afirmado inequivocamente, no Prospeto e no Anúncio de Lançamento, que era sua intenção, após o Termo da Oferta, promover a perda da qualidade de sociedade aberta da Sociedade Visada, mais informou que, nesta mesma data, deu entrada na CMVM o correspondente requerimento”, dá conta o comunicado.

Este anúncio vai ao encontro das intenções do empresário português que tinha lançado uma Oferta Pública de Aquisição (OPA) da SAG, da qual era o principal acionista, tendo como objetivo precisamente retirar a empresa da bolsa nacional. A OPA foi concluída na passada sexta-feira e os seus resultados foram divulgados segunda-feira.

Neste momento, revela o mesmo comunicado, João Pereira Coutinho detém um total de 95,30% dos direitos de voto da cotada, correspondentes a 161.318.826 de ações, ultrapassando o limite de 90% dos direitos de voto correspondentes ao capital social da SAG.

A OPA foi lançada no final do mês de abril, no âmbito da venda da SIVA ao grupo Porsche para garantir a “continuidade das operações” do importador de automóveis e assim assegurar 650 postos de trabalho. A SIVA será vendida por 1 euro.

Num outro comunicado, a SAG referiu ainda que no âmbito da OPA alienou 16.771.015 ações próprias, que detinha de forma direta e indireta, correspondentes a 9,88% do capital social. Os títulos foram vendidos ao preço unitário de 6,15 cêntimos a Pereira Coutinho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

João Pereira Coutinho já deu ordem para tirar SAG da bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião