Abanca e Crédit Agricole juntam-se em seguradora ibérica

  • ECO Seguros
  • 8 Julho 2019

Será uma seguradora Não Vida, self service, digital-first, dirigida a particulares e empresas abaixo de 2 milhões de euros de negócios anuais. CA foi escolhido entre 25 potenciais parceiros.

O Abanca e o Crédit Agricole Assurances assinaram, em Madrid, um acordo para 30 anos para desenvolver o negócio de seguros Não Vida em Portugal e Espanha. Uma empresa conjunta vai nascer deste acordo procurando clientes particulares e empresas com menos de dois milhões de euros de faturação. O modelo de negócio está centrado na criação e comercialização de produtos simples, mas inovadores num modelo que fomenta a contratação self-service e um modelo operativo omnicanal com enfoque no digital-first.

Com esta assinatura termina um processo de seleção de um parceiro dentro da indústria seguradora que foi iniciado pelo ABANCA em Setembro de 2018, e no qual participaram mais de 25 empresas do setor, de diferentes perfis. Neste processo, o Abanca privilegiou a experiência no setor de bancaassurance dos candidatos.

“Tínhamos muito claro que para cumprir os nossos objetivos de crescimento necessitávamos de um parceiro da indústria seguradora, um parceiro forte que complementasse as valências que temos no conhecimento dos clientes”, revelou o Presidente do ABANCA Juan Carlos Escotet Rodríguez, concluindo que “o Crédit Agricole Assurances é o parceiro ideal pela sua posição de referência no negócio de seguros na Europa”.

Do lado do do Crédit Agricole Assurances o CEO, Frédéric Thomas, acentuou que o Abanca “é um banco que privilegia a inovação, é o exemplo perfeito do nosso modelo de bancassurance, que pode ser posto em prática no âmbito internacional através de alianças com entidades fora do grupo, como já fizemos no passado”, acrescentando que “este acordo dá ainda seguimento aos objetivos de médio prazo do Crédit Agricole através do reforço da nossa atividade internacional”.

O Crédit Agricole Assurances, é a primeira entidade seguradora Francesa e responsável pelo negócio de seguros do Crédit Agricole, oferecendo produtos e serviços de poupança, reforma, saúde, e multirriscos. A comercialização dos produtos de seguros, dirigidos a particulares e empresas, é assegurada através do Crédit Agricole em França e em nove países do mundo por gestores de património e agentes generalistas. A empresa conta com 4.600 colaboradores e, no final de 2018, o seu volume de negócios ascendia a 33,5 milhões de euros.

Através deste acordo com o Abanca, o Crédit Agricole Assurances desenvolve pela primeira vez um novo projeto no setor de seguros espanhol. Nesta operação, o Crédit Agricole Assurances foi assessorado pela Arcano Partners como banco de investimento e pela Linklaters em todos os aspetos legais. O Abanca contou com a assessoria do BNP Paribas como banco de investimento, com a Uría Menéndez nos aspetos legais e pela Boston Consulting Group como assessor estratégico.

O ABANCA é a entidade financeira líder no noroeste de Espanha. Depois da integração do negócio do Deutsche Bank Portugal e do Banco Caixa Geral Espanha, conta com mais de 2 milhões de clientes e com cerca de 800 agências em 11 países, gerindo mais de 82 mil milhões de euros. O negócio de seguros do Abanca cifra-se em 400,2 milhões de euros em apólices e 2.797,4 milhões de euros de património gerido no segmento Vida. No primeiro trimestre de 2019 a entidade registou um crescimento relativamente ao mesmo período do ano anterior de 59,8% em nova produção de apólices vida e generalista, e uma contratação de mais de 16 mil Tarifas Planas, o seu produto estrela de seguros.

A finalização desta transação agora anunciada aguarda as autorizações dos organismos reguladores competentes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abanca e Crédit Agricole juntam-se em seguradora ibérica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião