Costa destaca que investimento na ferrovia ajudará a alcançar neutralidade carbónica em 2050

  • Lusa
  • 15 Julho 2019

O primeiro-ministro discursava em Lousada para assinalar a entrada em funcionamento de um novo troço da Linha do Douro servido por composições elétricas dos comboios suburbanos do Porto.

O primeiro-ministro, António Costa, destacou esta segunda-feira que o investimento na ferrovia que o país está a fazer, que considerou o maior no último século, vai ajudar Portugal a alcançar a neutralidade carbónica em 2050.

“Para atingir a meta da neutralidade carbónica em 2050, temos que mudar o nosso paradigma energético, cada vez mais assente em renováveis e menos em combustíveis fósseis, e temos de mudar o nosso paradigma de mobilidade nas cidades e não só“, afirmou o chefe do Governo, sinalizando a importância do transporte ferroviário.

António Costa discursava em Lousada para assinalar a entrada em funcionamento de um novo troço de 14 quilómetros, da Linha do Douro, entre as estações de Caíde de Rei e Marco de Canaveses, servido desde domingo por composições elétricas dos comboios suburbanos do Porto.

O primeiro-ministro, que viajou esta segunda-feira de comboio entre as duas estações, acompanhado do ministro da tutela, Pedro Nuno Santos, recordou que a nova infraestrutura ferroviária vai permitir diminuir as emissões poluentes para a atmosfera provocadas pelas composições a diesel, o que também acontecerá, frisou, com a ligação entre Nine e Viana do Castelo, na Linha do Minho, que hoje vai ser inaugurada.

Outras linhas que estão a ser melhoradas, em vários pontos do país, acrescentarão mais ganhos ambientais, anotou.

Ouvido por vários presidentes de câmara do distrito do Porto, o chefe do Governo insistiu que o investimento em curso diminuirá a dependência externa do país em matéria energética, para além de melhorar a qualidade de vida das populações e a competitividade das empresas portuguesas.

Esta não é uma obra isolada. É uma das peças importantes do grande programa Ferrovia 2020, que é o maior programa ferroviário, seguramente das últimas décadas e do último século, com dois mil milhões de euros de investimento”, observou, acrescentando que a melhoria das ligações ferroviárias internacionais é uma das prioridades, nomeadamente no corredor Sul, ligando o Porto de Sines a Espanha, no corredor Norte, ligando Aveiro a Vilar Formoso, e no corredor da Linha do Minho, ligando o Porto à Galiza.

Antes do primeiro-ministro, intervieram os presidentes das câmaras de Lousada e de Marco de Canaveses, Pedro Machado e Cristina Vieira.

Ambos os autarcas sublinharam a importância da obra de eletrificação da linha do Douro para a região do Tâmega e Sousa e agradeceram ao Governo e ao primeiro-ministro por ter sido possível concretizá-la, depois de vários anos de sucessivos adiamentos.

A eletrificação daquele troço da Linha do Douro, que abrangeu território de Lousada, Penafiel, Amarante e Marco de Canaveses, custou cerca de 10,5 milhões de euros e abrangeu outras melhorias na infraestrutura ferroviária e estações, incluindo em três túneis centenários que viram a segurança reforçada.

A Infraestruturas de Portugal está, entretanto, a trabalhar no projeto da eletrificação do troço que ligará as estações de Marco de Canaveses e Régua, prevendo-se que o concurso para a empreitada possa ainda ser lançado em 2019.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa destaca que investimento na ferrovia ajudará a alcançar neutralidade carbónica em 2050

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião