Número de turistas aumentou. Mas ritmo continua a abrandar

Portugal recebeu 2,6 milhões de turistas em maio, mais do que em abril, a maioria vindos do estrangeiro. As receitas com o turismo aumentaram para os 400 milhões de euros.

Foram 2,6 milhões os turistas que passearam pelas ruas de Portugal em maio, um número que aumentou 10% face ao mês anterior, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Os hóspedes estrangeiros foram mais do que os hóspedes nacionais, e também apresentaram um crescimento ligeiramente superior. E como o turismo é sinónimo de receitas, neste mês os proveitos turísticos tocaram nos 400 milhões de euros.

A hotelaria, o alojamento local e o turismo rural receberam 2,58 milhões de hóspedes em maio, dos quais 1,7 milhões vieram de outros países, enquanto 883 mil eram portugueses. Assim como em número, também em crescimento foram os estrangeiros que se destacaram ao subir 7,8%. No acumulado, entre janeiro e maio, o país recebeu 9,3 milhões de turistas, refere o INE.

Apesar de os turistas terem aumentado 7,7% face a maio do ano passado, estes passaram menos noites nos estabelecimentos turísticos. A estada média caiu 3,5% para 2,5 noites, uma quebra que se deveu aos hóspedes estrangeiros: a estada média caiu 5% para 2,87 noites. Já os hóspedes nacionais passaram mais tempo hospedados, para uma média de 1,82 noites.

Os hotéis continuaram a ser os sítios mais procurados pelos hóspedes, totalizando cerca de quatro milhões de dormidas (62% de 6,5 milhões de dormidas totais). Seguiu-se o alojamento local (11,4%), os aparthotéis (10,9%) e os apartamentos turísticos (7%).

Holandeses menos interessados. Madeira continua a ser exceção nas dormidas

Os britânicos continuam a ser os turistas que mais procuram Portugal para passear, tendo subido 1,4% em maio para um total de 245 mil hóspedes. Já os dinamarqueses foram a nacionalidade que menos procurou o país, totalizando os 12 mil hóspedes.

Em termos de crescimento, os espanhóis continuam a liderar: dispararam 24,5% para um total de 174 mil hóspedes, enquanto os holandeses foram a nacionalidade que mais caiu em maio: 13,7% para um total de 69 mil turistas.

Analisando região a região, o Algarve foi novamente a região que recebeu mais hóspedes, com um total de 1,99 milhões de dormidas, à frente de Lisboa com 1,72 milhões. Por seu lado, a Região Autónoma da Madeira foi — novamente — a única que viu as dormidas caírem: -3,8% para os 676 milhões. Entre os municípios preferidos pelos hóspedes em maio, Lisboa continuou a destacar-se com um total de 1,28 milhões de dormidas. Seguiu-se Albufeira (826 mil) e o Funchal (450 mil).

Receitas subiram para os 400 milhões de euros

As receitas totais obtidas pelo setor subiram 6,2% para os 398,9 milhões de euros face a maio do ano passado, enquanto aquelas obtidas com os aposentos aumentaram 5,9% para os 295,7 milhões de euros.

Analisando região a região, a Área Metropolitana de Lisboa destacou-se ao captar 34% das receitas totais (136,953 milhões de euros). Seguiu-se o Algarve com 103,259 milhões de euros e a região Norte com 62,4 milhões de euros.

Em termos de preços, cada hóspede pagou, em média, 52,5 euros por quarto a nível nacional, um valor que aumentou 0,4% face a maio do ano passado. Mas, analisando a zona de Lisboa, foi aqui que se observou a maior queda: 3,1% para os 90,6 euros. Destaque ainda para a Região Autónoma dos Açores, que apresentou a maior subida do preço médio por quarto: 12% para 48,7 euros.

(Notícia atualizada às 11h40 com mais informação)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Número de turistas aumentou. Mas ritmo continua a abrandar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião