Greve dos motoristas: 25% de serviços mínimos é “completamente desajustado”, diz ANTRAM

Na véspera da reunião entre a ANTRAM e os sindicatos dos motoristas, os patrões defendem uma ideia oposta à dos trabalhadores. Na falta de acordo, será Governo a decidir os serviços mínimos.

Na véspera da reunião entre a ANTRAM e os sindicatos dos motoristas para decidir os serviços mínimos para a greve agendada para 12 de agosto, as ideias defendidas são completamente opostas. Os sindicatos defendem 25% de serviços mínimos, mas a ANTRAM considera que esse valor é “completamente desajustado”. Caso não haja um acordo, dizem os patrões, a decisão passará para as mãos do Governo.

“Esperamos que o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias revejam os serviços mínimos de 25% propostos, na medida em que na anterior greve tinha proposto 40%”, disse ao ECO André Matias de Almeida, advogado da ANTRAM.

O valor proposto é “completamente desajustado”, referiu, sublinhando o impacto que esta nova greve terá no país. Questionado sobre a percentagem de serviços mínimos que a ANTRAM considera aceitável, André Matias de Almeida disse não ser ainda possível adiantar esse valor. Contudo, o Expresso adianta que a proposta dos patrões será a de exigir 70% de serviços mínimos.

“Creio que deveriam rever os serviços mínimos. Caso não o façam, vejo com muita dificuldade que se possa chegar a um entendimento”, continuou o advogado, adiantando que, caso não haja um entendimento, “terá de ser o Governo a decretar os serviços mínimos”.

Esta quarta-feira, a ANTRAM vai reunir-se com o Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e com o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias (SIMM) para definir os serviços mínimos para a greve de 12 de agosto. Presentes estarão ainda representantes do Governo, através da Direção-geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Greve dos motoristas: 25% de serviços mínimos é “completamente desajustado”, diz ANTRAM

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião